segunda-feira, 9 de novembro de 2009

SELAELO SELOTA


SELAELO SELOTA

Estacios Valoi

Quem é Selailo Selota?
Selailo sou um músico sul-africano nascido na Província do Limpopo no Norte da África do Sul, proveniente duma família rural pobre, a minha música começou nas minas de ouro Dearly Ground após ter visto muitas pessoas tocarem música tradicional e guitarras por um período de três anos os quais permaneci nas minas. Antes da minha ida a Johannesburg onde posteriormente encontrei centro teatral repleto de salas onde trabalhei como empregado de limpeza, assim como no teatro de nome ´Keeps´ onde também trabalhei como empregado de limpeza, Keeps era o local de concentração de vários músicos no desenrolar das suas variadas sessões musicais.

Após trabalhares nas minas, a posterior passas para a área musical onde te encontras actualmente ate. Como é que descreves essa viragem?
Após concluir o nível secundário, decide procurar emprego em várias instituições principalmente devido ao meu nível social baixo e originário de uma família humilde. Tantas portas bati, contudo o resultado foi negativo. Após tantas andanças fui as minas onde não se pedia nenhum certificado de habilitações apenas forca bruta para poder sustentar a minha família e minha mãe numa infância marcada pela ausência do meu pai.

Sabia que trabalhar nas minas era um começo mas com a finalidade de atingir outros patamares.

Não foi fácil atingir o estagio em que estou hoje e com estatuto de musico. Trabalhei nas minas com pessoas de diferentes lugares, países, regiões, tradições, partindo do Malawi, Suazilândia, inclusive Moçambique e por ai em diante. Nas minas éramos divididos em blocos residenciais de acordo com a nossa proveniência, os do Botswana aqui, os Zulos lá, e assim em diante.

Aquando da minha estadia nas minas pratiquei atletismo na categoria de distância média por ai 21km, meia maratona, o que me permitiu quebrar todas as fronteiras que pudessem existir nas minas e ainda hoje continuo a correr pelos palcos.

Para mim as minas serviram de campo de treino e de alavanca para enfrentar o mundo da cidade o qual muitos temiam. No meu caso foi fácil após ter permanecido no subsolo minas, dentro da terra enlatado como um peixe. Mas a terra é tão enorme que eu parecia um grau de areia nas profundezas da terra.

E quando é que descobres que tinhas encontrado o que consciente ou inconscientemente andavas a procura?
O meu périplo na arena musical começou quando eu tinha 22 anos. Na época em que descobri que podia aprender a tocar, cantar, comprei a minha primeira viola acústica barata sem qualidade ao preço de 150 rands, é com ela que dou o meu primeiro salto. Infelizmente já não a tenho comigo, a minha criança ricem nascida naqueles dias ficou com um dos músicos de Port Elisabeth que na altura vivia em Johannesburg e tocava para a banda do musico George Lee um dos que fazem parte do crescimento de Jimmy Dludlu.
Nessa fase o musico utilizava a minha viola para os seus ensaios e posteriormente mudou se com a família e lá se foi a minha filha outrora recem nascida.

Actualmente com muitos admiradores e amantes do teu ritmo jazz, na mais eloquente forma de tocar. Como é que te sentes?
Hoje sinto me abençoado e não seria possível atingir o estagio em estou sem a ajuda de deus e o amor das pessoas.

No conjunto dos quatro álbuns. Qual e o ultimo assim como o titulo?
O meu último álbum e intitulado ´The Azanian Song Book´

Qual é o significado?
Quando a África do Sul lutava pela sua liberdade as pessoas pensavam que assim que atingisse a independência mudaria de nome para passar a chamar se de Azanian e não África do Sul como é hoje conhecida.

Mas antes pesquisei a palavra ´Azanian´ descobri que era relevante, e, não podia intitular o meu álbum de ´South African Song Book´ mas sim ´Azanian´ isto porque constatei que os vários países da região ou da África tem um aspecto em comum. As terminações dos nomes dos países por exemplo encontram ´I, A´, Nigéria, Etiópia, Tunísia, Abissínia, Namíbia, Argélia. Entendes? E por outro lado países com a letra ´Z´ como Moçambique, Zâmbia, Tanzaniana por ai em diante e achei este aspecto relevante.


Como descreves a África do Sul Nos dias de Hoje?
África do Sul é um país dinâmico em processo de mudanças que tiveram o seu começo em 1994 antes da eleição de Nelson Mandela como presidente. Após a investidura de Mandela como presidente as pessoas tiveram a sua liberdade ate ao ponto de pensarem que podia interpretar essa liberdade a seu belo prazer gritar saltar... a África do sul atingiu a sua liberdade mais o povo não alcançou a sua liberalização.

Quando se é livre faz um pouco de tudo conforme o nosso desejo, mas, quando se atinge a liberalização as coisas fazem se com conhecimento de causa e todavia a África do Sul esta na sua fase mediana do processo de libertação alem a liberalização.

Um dos maiores problemas é que as pessoas confundiram liberdade com libertinagem. Vejamos o livro ´Negro Capitalism ou Capitalismo Negro´ e percebe se. Ainda há muito por ser feito, antes as pessoas não tinha acesso as casas de banho porque vinham escritas ´White only´, e em resultado disso as pessoas encontravam se pressionadas, aprisionadas aliviando se na próxima esquina que encontrassem, arvores...

Muitas pessoas continuam a fluir a cidade vindo das zonas rurais do pais e o modo de vida é diferente, lá não existem casas de banho públicas assim com em muitas pessoas a mentalidade esclavagista da época do apartheid contínua patente no seu dia-a-dia.

Sempre que toco exponho mais a África e não propriamente a África do sul apesar de estar enraizado aqui, estou mais aberto para continente. Se for a Moçambique e banhar me naquelas belas praias e ouvir e tocar com músicos moçambicanos, logicamente que isto sempre desperta o outro lado esquecido dentro de mim e vem facilmente ao meu interior, por isso nas minhas musicas podes vir a escutar algo do ritmo moçambicano.

Em Guiane a muitas pessoas que falam a língua tradicional Changana assim como em Moçambique, e não se pode dizer que não são as mesmas pessoas. São as mesmas apenas divididas pelas fronteiras que foram criadas pelos homens.


Estou a trabalhar no terceiro álbum da Judith Sephuma assim como escrevi e produzi o primeiro.
Qual será o nome do álbum?
Não sei só ela pode dizer. Mas como digo, quando a minha filha canta e quando eu canto zip, quero dizer, esta com a mãe, Selailo atriiill apa.

1 comentário: