segunda-feira, 9 de novembro de 2009

340 MIL

JAZZ CAPE TOWN EM ALTA
Estacios Valoi
07/03/09
O festival que e realizado nos próximos dias 3 e 4 de Abril em Cape Town na vizinha Africa do Sul, na sua decima edicao no qual nomes sonantes da musica mundial e africana far-se— ao presentes nos palcos montados naquela urbe, a qual se espera receber mais de 35 mil de pessoas. De acordo com a organizacao estao ja criados todos os requisitos para que a festa seja de arromba.outros generos do jazz que estarao disponiveis no cardapio deste ano sao o afro-pop, funk, blues, Latin e Hip-Hop.
Em conversa com Jeni Fletcher membro da organização e acessora de Imprensa do evento’ espAfrica.
‘ perdida na sua explanacao em termos de numeros disse que sao esperados milhoes e milhoes de espectadores durante os dois dias de ‘ loucura’ que geralmente caracteriza a magnitude deste evento. O evento que ‘e patrocinado nao so pela SABC que acredita no apoio e promocaao de talentos rumo ao desenvolvimento da industria musical. mas para o sucesso deste festival outras maos deram a palmatoria, como a corporacao sul africana dos caminhos de ferro. departamento de arte e cultura da africa do sul, a Grolsch, o conselho municipal de Cape Town,o departamento de assuntos culturais e desportivo do cabo ocidental, cape town routes unlimited, desnvovimento distritrital central do cape, Departamento de turismo, a Alianca francesa, embaixada da Espanha, republica da Franca,a representacao Flemis na Africa do Sul , Samro, ate a barraca patrocina, etc.
Na tabela de musicos a contabilizar, vislumbram musicos de renome que nos fazem saltar os olhos.

Dentre eles, Diana Reeves, Peter White, o lendario Hugh Massekela que aparece neste festival em celebracao dos seus 70 anos, Kile Eastwood, Freslyground, Emile Bruce,
Para aqueles que perferem o jazz mais tradicional podem esperar o disciplo do Jonh Coltrain Dave Liebaman, o baixista do Miles daves Al foster, New yorque Voices, o Quarteto Maurice Gawronsky , Jonathan Rubain e outros mais como o Mocambicano Stewart Sukuma pela primeira vez convidado a estar presente num dos cinco palcos projectados para o evento, Napalma, Mc Coy Mrubata e Special Friends , Gold Fish, Carlo Mombelim e Prisoner of Strange, Cape Town Jazz Orquestra, Abeligali Kubela, Incognito-Uk, Jonathan Buhter e Dave Koz Collaboration, Kyle Shepherd, Mike Del Ferro e Sibongile Khumalo, Sahanon Monday, Dr Philip, Robert Glasper e The RCDC experiment,Ndumiso Nyovane, Shakatak-UK, South Spaw, Mosh Def,Siphokazi, The Stylistic, Zap Mama, 340ml e outros. E com esta ultima banda’mocambicana’ que vou cruzar o Cabo da Boa Esperanca na continua procura do outro.


Qual é a vossa filosofia de vida como banda?

340ml-Viver o dia a dia, depois vê-se o que vai dar no fim.

Que bagagem levam ao festival? Que ilacoes do anterior festival?

340ml- Os nossos instrumentos favoritos e uma boa disposição.
É a nossa segunda vez no festival. Tocamos em Cape Town há uns anos atrás. Tivemos alguns problemas técnicos sérios mas o publico foi dos melhores.

De entre os vossos dois albuns qual seria o melhor?

340ml-Temos dois albumes: Moving (2004) e Sorry For The Delay (2008).
Isso é impossível de responder, cada um deles tem uma coisa de especial para nós, nem que seja só pelo trabalho que nos deu para faze-los. São como crianças que temos de gostar duma forma ou de outra.

Como é que vocês vêem o mercado discográfico Moçambicano em comparação com o Sul Africano?

A industria na África Do Sul é definitivamente maior e existem mais possibilidades em relação de mercado. O mercado em Moçambique é mais pequeno mas na verdade deve ser menos plástico que o Sul africano. Acho que são muito diferentes. Ambos tem vantagens e desvantagens, e é bom estar presente nos dois.

Quando é que decidiram formar a banda e porquê 340ml?

340ml-A banda foi formada em 2001. A resposta é mais porque não formar uma banda do que porque formar. Tínhamos tempo e vontade.

Pensam em retornar e se estabelecer em Moçambique como músicos?
340ml-Um dia, penso que sim. Casa é casa.

E eu! Vou rasgando a atmosfera a procura do outro. Desta vez mergulho no Walalapi com Ungulane. A ver nao se nao o encontro!

1 comentário:

  1. sou antonio cossa fotojornalista moçambicano residente em portugual(porto).
    neste momento encontro me na republica checa(prague)onde trabalho para uma exposiçao em janeiro e estou a desenvolver 2 progectos em paralelo.
    o primeiro é um registo fotografico de arquitectura classica europeia.
    segundo é um documentario denominado OS RASTOS DO COMUNISMO DEPOIS DE 20 ANOS.

    o principal objectivo da minha intervenção neste blog é mesmo para dar um forte abraço ao estacio valoi,meu grande colega,companheiro de campo a anos,juntos desenvolvemos varios progectos,durante a nossa carreira que sempre foi em paralelo munita coisa se passou como:preciguidos pela policia,horas e horas na redação,noites perdidas na radio moçambique (corridor radio)reportagens no acidente de tenga,no conflito em xipamanine,documentario das vitimas do paiol e muitas outrs coberturas que fizemos juntos.
    fico feliz em estar longe e poder atravez dos meios eletronicos podermos acompanhar o seu trabalho.
    uma das minhas principais funções é divulguar tudo que acho que de interesse social,por isso vou levar este blog comigo para toda a gente que por me passar.
    abraço Valoi
    força pelo jornal cultural on-line.

    ResponderEliminar