sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Official complicity in Mozambican elephant slaughter


A journey into the depths of poaching kingdom Text and photos: Estacios Valoi 26/09/14

(www.http://oxpeckers.org/) As elephant poaching statistics continue to rise in northern Mozambique, a year-long investigation by Oxpeckers associate and from Forum for African Investigative Reporters(FAIR) Estacios Valoi exposes official complicity in the slaughter.
A poacher said the Russian Mauser used to kill this female elephant and her baby were supplied by a tax officer in Quirimbas National Park

 Industrial scale Environmentalists warned in mid-September that killing for ivory by organised syndicates was being carried out on an “industrialised” scale – between 1 500 and 1 800 elephants are being poached a year, mostly in northern Mozambique. In Niassa National Reserve, the country's largest game reserve, the World Conservation Society (WCS) counted 22 poached elephants in the first two weeks of September alone. “The killing of elephants in the north of Mozambique… is reaching proportions never seen before.

The killing of elephants is being industrialised,” said Carlos Pareira, an advisor to the WCS. Between 2009 and 2013 Niassa's elephant population was reduced from 20 374 to less than 13 000. According to the reserve's administrator, Cornélio Miguel, an average of five elephants are now being killed there daily. In the Quirimbas National Park, the elephant population was reduced from about 2 000 in 2008 to 517 by 2011, according to the Worldwide Fund for Nature (WWF).

Baldeu Chande, the administrator of Quirimbas, estimates the park now has a maximum of 790 elephants.
Niassa reserve and Quirimbas park are in the far north, close to Mozambique’s border with Tanzania
 Web of complicity

Valoi's investigation, started in November 2013, reveals a web of official complicity in the slaughter among administrative, judicial and tax authorities in the northern provinces of Cabo Delgado and Niassa. The poaching networks on the ground consist of armed hunters: Mozambicans, Tanzanians, Somalis with high-calibre weapons. They smuggle their illegal proceeds through Mozambican ports, airports and borders, destined mainly for China or Vietnam.

Until March this year, under Conservation of Forest and Wildlife legislation they only received small fines when caught. In April a Bill was approved that sets prison terms of two to eight years for offenders. The illegal use of firearms and ammunition is itself a crime, resulting in a jail term of eight to 12 years. But documents show that, despite the law, officials are facilitating these crimes. Some sell weapons and ammunition, military uniforms and boots, and others facilitate the release of detainees and the disappearance of evidence.
Manuel Kachupa is a ringleader of poachers, but appears untouchable

 Judicial system


 The investigation discovered 15 cases involving armed poachers in the Quirimbas National Park, dating to between 2009 and 2013, which were forwarded to the Criminal Investigation Police, the Prosecuting Attorney and the Provincial Court – with no outcome. Even some poachers brazenly walking around with AK-47s were released. One syndicate comprising four alleged poachers was arrested in Quirimbas in 2010 after killing three elephants. Charges were laid against Manuel Kachupa, Jorge Salimo, Luis Assima and Antonio Amisse, but they were released. In another operation against the same group in 2011, 106 rounds of AK-47 ammunition and 104 114 meticais in cash were seized.
This time Luis Assima, head of the group, got wind of the arrests and left the day before with another accused, Manuel Kachupa, to hunt with three automatic weapons. Kachupa is a ringleader, but appears untouchable. In August 2011 he was captured with more than 90 000 meticais in cash and a week later he was released after paying a “deposit” of 20 000 meticais. In another case, after he was caught chasing a group of six elephants, he managed to escape with a rifle, ammunition and three elephant tails. He was re-captured and detained in the maximum security prison, but four days later he was released.

These are just some of the cases of possession of elephant products, large amounts of cash, unlawful firearms and ammunition that have not been followed with legal action. One policeman said there was no money to feed the poachers in jail. Another insider alleged that a “deposit” of 15 000 meticais was guaranteed to secure released from prison.
Contacted for comment, the current prosecutor for Cabo Delgado province, Bernardo Mecumbua, referred the reporter to his spokesman, Deputy Prosecutor Wilson. Wilson said that in the past two months four poaching-related cases had been brought before the courts, and more were on the way. However, he was not able to give details of the cases, nor of those arrested, or released.

 “Problem” elephants

In the province of Cabo Delgado, the administrator of the district, Ancuabe Eusebia Celestino, and the chief secretary of the village of Muaja, Horace Radio, provided weapons used in the killing of so-called “problem” elephants which they said were destroying farms around the Quirimbas National Park. For four days our reporter accompanied poachers in the district of Ancuabe, talked with community members and searched the forests for elephants. But the elephants were wary and avoided us. However, we saw logs of the hardwood species pau preto scattered through the forests waiting to be collected. That week, elephant poachers and the illegal loggers were aware of our presence, some even said to us, “this is wrong, there is no business”.

The carcass of a so-called ‘problem’ elephant killed in Quirimbas national park
 Poachers and community members


 In Muaja, village chief Horace Radio denied his involvement in poaching, despite the fact community members were able to prove otherwise. About 10 elephants were slaughtered in Nonhala, Namaika and Montepuez river. They were slaughtered by day, "against the wind, with a shot in his forehead or heart and the elephant falls on the spot". The killing groups consisted of three to six persons, including watchmen and "scouts".

 It is a rapid procedure: the poachers catch, kill, with an axe cut away the flesh on the forehead of the elephant, remove the tusks and deliver them to the clients, owners and/or arms suppliers. "I had a gun that the manager gave us, here with the village chief, who received the gun from the hands of the administrator himself,” said one of the group. “The secretary called me go to shoot elephants,” he recounted. “I managed to shoot down two elephants, a large female and her offspring. The third weapon, a Russian Mauser, we received from the hands of a tax officer named Terenciano Faire in Quirimbas National Park. “He worked in a village named New Zambezia, where we slaughtered elephants within the Quirimbas National Park. He is now in Incole-Chaimite in Ancuabe.”

 A second poacher corroborated his teammate: “The administration brought two guns, one a Russian brand. We were taken to New Zambezia because there was an elephant who assaulted a woman who ended up losing her life. We slaughtered the elephant. “We got nothing, no ivory, no money, no meat. They told us to kill elephants with the promise of earning something, but so far we have nothing.” In Muaja, another weapon was delivered to a poacher by “a former military major” named “Emilio”. “It was a Russian Mauser given to me and my friend, as poachers,” we were told. “We caught an elephant, slaughtered it and took the ivory. We also slaughtered elephants in the lagoon area.”

The third poacher, an ex-soldier belonging to another group of poachers in 2012, also received a “Russian Mauser coming from an administrator. I shot down an elephant in the Matuine zone. The district officer took the gun, ivory, meat and went away.” In Quirimbas the administration has no autonomy to kill or cull elephants, either inside or outside the park. “Problem” animals must be dealt with by the provincial department of agriculture, and they must inform the park that they will send men to drive but not to slaughter the animal.

 Of the elephants slaughtered on orders from the administrator during the past four years, neither the park administration nor the provincial directorate of agriculture of Cabo Delgado received any ivory. These facts were confirmed by both institutions.

Cabo Delgado police commander Dora Manuel Manjate, accused of facilitating the passage of ivory, rubies and other illicit products for Chinese clientele
 Police chief in Pemba

The agriculture department’s forestry and wildlife division in the town of Pemba confirmed that the following districts had made delivery of tusks of ivory: Mueda – 18, Mocimboa da Praia – 16, Muidumbe – 1. No tusks came from the Ancuabe district.

At the airport and port of Pemba, security sources said the provincial police commander, Dora Manuel Manjate, abused her power to facilitate the passage of ivory, rubies and other illicit products for Chinese clientele. They said when police and customs officials questioned the commander, “we are threatened by the commander and assigned names by the Mofid forestry company [Mozambique First International Development], a friend of the commander's”.

Illegal shipments are often hidden among timber transported in shipping containers. “When we searched and found illicit goods, Mofid connected directly to Dora Manjate and said, 'these are your dogs here to bother us'. Suddenly the station chief came and told us to disappear.” According to the security sources, Chinese clientele have contributed towards a new home and vehicle for Manjate – “a 4x4 Mahindra, one of those newer types, a make not assigned by the police.” One of our sources in the harbor said that recently, at the behest of the commander Manjate, a policeman who tried searching a forestry container was locked up in a cell for eight days.

“We're afraid to search a container in the port when it belongs to Mofid.” After confirmation in the geography department and from a member of the municipal council of Pemba, we tracked down commander Manjate's home, located about 200m from the beach with a stunning side view of the sea. On entering the house, we found Mozambican workers and a Chinese company, CN-Balcony Buildings, busy with construction. According to them, the construction will cost in the region of one million one hundred thousand meticais. Research for this year-long investigation is supported by documentary evidence, and was funded by The Fund For Investigative Journalism (FIJ)

Camponeses continuam na míngua devido à usurpação de terras.

Texto e fotos: Estacios Valoi
13/08/ 14
Campo de cultivo no Distrito de Mopeia-Zambezia 

(www.Catembe.com) Actualmente as terras das populações camponesas têm sido alvo de muita cobiça e usurpadas por pessoas com elevada capacidade financeira. Este cenário provoca revolta no seio das comunidades que vêem as suas terras, que constituem a base do seu sustento, a passarem para as mãos de investidores para projectos duvidosos. Um dos exemplos é o projecto Prosavana em torno do qual existem muitas vozes discordantes.

 Mais de 14.5 milhões de hectares de terras moçambicanas são concessionadas às grandes empresas brasileiras e japonesas no agro-negócio para ocupar monoculturas de soja, milho, girassol, algodão, no norte do país, para ocupar 19 distritos das Províncias de Nampula, Niassa e Zambézia. Recentemente, a cidade de Pemba, Província de Cabo Delgado, acolheu a segunda conferência regional sobre terras e sementes, sob o lema: “Camponeses Unidos na Luta pela Defesa da Terra, Sementes Nativas e da Agricultura camponesa”.

Camponeses de Mopeia
 Falando na ocasião, o Governador de Cabo Delgado, Abdul Razak, disse: “a agricultura foi sempre relegada para o segundo plano nas políticas do Governo e como tal beneficia de orçamentos irrisórios, diferentemente da área dos recursos minerais em que até são acomodadas figuras de elite para comandar o negócio”. UNAC PREOCUPADA COM PROSAVANA Para a União Nacional dos Camponeses (UNAC), o Prosavana é um programa que em nada vai ajudar o camponês moçambicano, uma vez estar prenhe de irregularidades nos processos atinentes às consultas comunitárias, participações públicas de entre outros.

Membros da UNAC
Todavia, o oficial de comunicação e advocacia da UNAC, Jeremias Vunjane, afirma que o Prosavana está implantado nas Províncias de Nampula e Niassa e até já existe transferência de tecnologias para construção de laboratórios no distrito de Namialo, na Província de Nampula.

Vunjane explica ainda que paralelamente ao Prosavana existe um fundo na ordem de 17.000.000,00MT (Dezassete milhões de meticais) do Gabinete de Apoio ao Crédito (GAPI), adstrito ao Prosavana com intuito de afastar os camponeses das suas terras em conluio com o Governo, facto contestado pela UNAC.
“O Prosavana encontra-se em muitas áreas dos camponeses, razão pela qual lançamos uma campanha de “Não ao Prosavana”, a 02 de Junho com vista a paralisar o programa triangular Brasil, Japão, Moçambique porque o mesmo é inútil. Actualmente está a ser aberta uma auto-estrada que depois vai ser ocupada por grandes empresas, implementado ao longo do corredor de Nacala, Província de Nampula”.

Plantação de chá nas montanhas de Gurué - Zambézia
Recordar que no ano passado, mais de 400 camponeses da Província de Gaza, das comunidades de Marien Ngoua¬bi, Ndlangane e Chibonhanine muniram-se de catanas e enxadas para atacar os chineses devido à usurpação de terras na região de Matijelene, com permissão do Governo.

Na altura, o Fórum das Organizações Não Governamentais de Gaza (FONGA) confirmou o facto. O Prosavana é um programa de cooperação triangular entre os Governos do Brasil, Japão e Moçambique, representado pelo ministro da Agricultura José Pacheco. Do Brasil pela ABC e do Japão pela JICA. Em Moçambique os interesses das empresas estrangeiras estão interligados com agribusiness das elites moçambicanas sempre.

Florestas em perigo de desaparecimento

Texto e fotos: Estacio Valoi 18/07/14

(www.soldoindico.co.mz)A província da Zambézia apresenta o maior índice no que tange às queimadas descontroladas em Moçambique. Em apenas 12 dias registaram-se naquela província cerca de 1500 focos de queimadas, sendo 589 no distrito de Morrumbala. Lavouras, produção do carvão vegetal e caça de animais, são algumas das principais causas deste flagelo, um autêntico desastre ambiental que põe em causa o ecossistema.
Fogo posto em Mareja-Cabo Delgado
 As queimadas descontroladas também destroem casas, celeiros, postos de energia, escolas e obrigam por vezes à fuga das populações. Províncias mais populosas no centro do problema As províncias de Zambézia, Nampula, Niassa são as mais afectadas por estas práticas, as mesmas que outrora tinham o maior índice de concentração de vastas áreas verdes. O director nacional de Florestas e Fauna Bravia, Simão Joaquim, avançou que as províncias de Nampula, Zambézia e Niassa estão no topo da lista, tendo sido as mais afectadas pelas queimadas durante os meses de Junho a Dezembro.


Por seu lado, Natacha Ribeiro, do Departamento de Engenharia Florestal-Queimadas da Universidade Eduardo Mondlane, afirma que a questão das queimadas descontroladas é um assunto complicado e de carácter nacional. «Há cinco anos que há cada vez mais queimadas como ferramenta de gestão dos recursos naturais.
A população vai fazendo queimadas, e pensa que está a resolver um problema, mas está a criar outro ou uma série de outros problemas», observou. E, ainda no mesmo diapasão, Natacha apela para que políticas restritas e o cumprimento da lei se façam sentir contra os prevaricadores. «As mudanças climáticas têm o seu efeito sobre a floresta. Espécies são mortas e depois não conseguem degenerar. É preciso que haja alguma mudança de atitude das pessoas».
Pesquisadora Natacha Ribeiro
 Anualmente 800 quilómetros de floresta em Moçambique desaparecem devido ao aumento de queimadas descontroladas provocadas pelas comunidades para a prática da agricultura e caça de animais de pequeno porte. O jurista Carlos Serra Defende que é urgente parar com a actual situação de devastação das florestas moçambicanas. «Estamos a cortar demais. Estamos a degradar demais as florestas em relação à sua capacidade natural de regeneração».

 Falta de penalizações

 «Temos a lei de florestas que diz que as queimadas são proibidas, mas penso que devia haver penalizações concretas sobre quem é apanhado a fazer queimadas. Faltam acções mais concretas de penalizações», disse o ambientalista Carlos Serra Júnior. Para a fonte, a gestão das florestas, incluindo outras actividades humanas, é deficiente.

Os problemas florestais são agravados pela procura de fontes de energia, como é o caso da lenha, considerando que mais de 80 por cento da população moçambicana socorre-se deste recurso natural.
 «Um outro factor são as queimadas associadas à agricultura de sequeiro, aliado à fraca rede de extensão agrária nacional. Há problemas de equilíbrio ecológico com a perda de determinadas espécies de forma massiva. Não há planos de maneio por parte dos exploradores e, havendo, não são implementados», rematou o estudioso.

O pesquisador salientou que o modelo de exploração de florestas em Moçambique é «insustentável» porque em muitos casos são abatidas várias espécies para se chegar à pretendida. Por isso, aconselhou que se faça uma transição do modelo de exploração de recursos florestais, porque o actual está a desgastar as fontes energéticas. Como forma de combater o cenário de queimadas descontroladas que se verifica em muitos cantos do país, o ambientalista sugere a qualificação de recursos humanos e a melhoria dos materiais, assim como a modernização dos meios tecnológicos. «Não podemos licenciar a exploração de um recurso sobre o qual não temos capacidade de controlo.

O Estado não pode permitir que haja exploradores sem planos de maneio», criticou. Maior fiscalização dos recursos «É preciso fazer muito para combater a corrupção nos sectores da polícia, florestas e alfândegas. Na China há trabalhos para garantir a protecção das suas florestas. Tem de haver comprometimento diplomático sério entre os países para impedir a entrada de madeira ilegal nas fronteiras chinesas», alerta o ambientalista.

Muitas vezes, algumas empresas fecham por violarem a legislação florestal, no entanto, quando retomam as suas actividades, continuam a violar as normas. Por essa razão, o jurista Carlos Serra defende que é urgente parar com a actual situação de devastação das florestas moçambicanas. «Estamos a cortar demais.

Estamos a degradar demais as florestas em relação à sua capacidade natural de regeneração». Potencializar a sensibilização das populações.

 Em relação ao projecto governamental denominado “Um líder, uma floresta”, a pesquisadora da UEM, Natacha Ribeiro, defende que as pessoas devem ser responsabilizadas, porque os projectos não devem ficar entregues à sua sorte. «Eu acho que é uma questão de criar um pouco de responsabilidade nas pessoas.

A floresta é plantada. Quem vai cuidar dela? É preciso estimular as pessoas a envolverem-se nestas actividades». Todavia, reconhece que a tarefa não é nada fácil, daí que aponta como solução a aposta nas campanhas de sensibilização das populações circunvizinhas às florestas. A interlocutora disse que existem diferentes níveis de disseminação de mensagens em que as autoridades governamentais poderiam apostar para combater a situação das queimadas descontroladas. «Na Reserva Nacional do Niassa podia se pensar no teatro, eventos culturais. Eles têm um festival cultural em cada dois anos.
Este tipo de eventos podia ser aproveitado para passar a informação. Haveria também que trabalhar com as escolas. Acho que apostar nas crianças é o mais viável para a mudança de atitude», considerou a pesquisadora Natacha Ribeiro

segunda-feira, 23 de junho de 2014

CORRIDA PELO RUBI: O drama em Namanhumbir


Texto e fotos: Estacios Valoi 13/06/2014

O estudo sobre o impacto socioeconómico e ambiental das actividades da exploração mineira em Namanhumbir, recentemente lançado na Universidade Católica, em Pemba, província de Cabo Delgado, revela o drama vivido pelas populações circunvizinhas da mina de rubi. «Vejo que muitas crianças vendem água, faltam à escola, até os professores reclamam.
O brilhante a milhas
 Isso está acontecer agora porque as pessoas procuram meios de sobrevivência nos garimpos», é uma pequena parte da nova realidade da população de Namanhumbir denunciada no estudo do Grupo Temático de Recursos Naturais e Meio Ambiente da Universidade Católica em Cabo Delgado, através do projecto Fortalecimento de Capacidade das Organizações membros do GTRNA, financiado pela Cooperação Francesa.

O estudo compreende uma pesquisa levada a cabo no período 2009-2013 e revela dados alarmantes sobre aquela zona do país. Segundo o Censo Populacional e Habitacional realizado em 2007, dos 149.181 habitantes de Montepuez, 22.140 são do Posto Administrativo de Namanhumbir. Estado dentro de um “estado”? Criminalidade, prostituição, droga, mortes, desistência escolar por parte das crianças são factos que fazem parte do dia-dia de Namanhumbir. As crianças são obrigadas a recorrer ao garimpo para que, no fim do dia, possam levar um pedaço de sabão para casa.

A Montepuez Rubi Mining, Lda., uma parceria entre a empresa britânica Gemfields e a empresa moçambicana Mwirit, tem uma capacidade de produção instalada de 50 toneladas dia, mas numa fase experimental estão a ser processadas 15 toneladas por diárias. «A diferença é que antes da exploração de pedras, o que era importante era escola.

Com este trabalho de pedra, muita gente abandonou a escola. Temos escola nas aldeias, mas muitas crianças não querem ir, preferem se dedicar ao garimpo». Apesar de a agricultura ser uma das actividades diárias daquela população, esta vê-se substituída pelo garimpo. «Sou camponês, ao longo da semana vou à machamba e no fim-de-semana tenho ido ao garimpo. Mas há pessoas que abandonaram de vez a machamba», confessou ao SOL DO INDICO, uma fonte que não quis ser identificada.

Garimpeiros ilegais e suas motos levando sacos de areia ' camada' pronta a lavagem em Namanhumbir
São vários os problemas que afectam aquele distrito, desde a falta de infra-estruturas, segurança, alimentos. Para Tomás Langa, coordenador executivo da Associação do Meio Ambiente (AMA), entidade que apresentou o estudo, a situação vivida em Namanhumbir, «não se trata de um Estado dentro do outro, onde impera anarquia total, mas sim uma ausência total da segurança social».

Por essa razão, o interlocutor entende que é preciso melhorar muito no capítulo da segurança social, o dever do Estado de prover aos seus concidadãos um ambiente harmónico, de entendimento, realidades que de acordo com o estudo «não acontecem». Muitos dos depoimentos recolhidos pelos pesquisadores revelam a existência de tiroteios, esfaqueamentos e espancamentos, tudo resultado da luta para conquista de espaço no mercado de rubi.
Instrumentos do garimpo

  Negócios ilícitos

 «A polícia também faz negócio de pedras. É fácil encontrar rubi. Eu cavo, vou para dentro com corda. Conseguimos muito dinheiro com a venda de pedras. Os tailandeses são os melhores compradores», revelou um garimpeiro. A fonte contou que um grama limpo do precioso recurso pode valer cerca de 2 mil meticais. «Tem grupos que cavam as minas. São dois grupos, que trabalham em turnos, 15 dias para cada um. Até os secretários dos bairros e alguns directores estão envolvidos»,confidenciou.

O coordenador executivo da AMA apela ao Governo para que intensifique a sua intervenção em Namanhumbir, com vista a repor a normalidade social naquela parcela do país. «O desenvolvimento é uma coisa multissectorial, há factores que devem ser acautelados, para que amanhã essas crianças sejam profissionais, tenham um futuro próspero e possam contribuir para o desenvolvimento nacional».  

Responsabilidade social vista de binóculos

 «A responsabilidade social não é nenhum favor que as empresas oferecem às comunidades, são as obrigações contratuais assinadas com o Governo e as comunidades», esclareceu Tomás Langa, para de seguida avançar que é difícil analisar o que foi ou não permitido, os ganhos para a comunidade, porque estão a ser extraídos recursos extremamente valiosos. «É preciso que o local, o natural, se sinta mais confortável e esteja nesse processo de desenvolvimento».
  
Recomendações do estudo

 O estudo da AMA mostra alguns caminhos que o executivo moçambicano deve tomar para melhorar a vida das populações de Namanhumbir, com maior destaque para a situação vulnerável em que as crianças se encontram. «Temos que olhar para os mecanismos de retenção das crianças na escola, com foco na rapariga que é a grande preocupação universal, principalmente nos países africanos. Este processo tem duas partes, a do comportamento social e a que tem que ser garantida pelo Estado».

Outra recomendação é a distribuição equitativa de oportunidades. «Notamos que a vantagem é dada aos estrangeiros e o nacionalaparece a reclamar», sublinhou Langa.
  
Medo do futuro

 Para Barbara Hauer, umas das pessoas que juntamente com Nyelete Amado lideraram o grupo temático na elaboração do estudo, existe um cenário sombrio para as populações de Namanhumbir. Questionada, Barbara Hauer sobre qual poderá ser o futuro dos residentes de Namanhumbir, respondeu: «é muito difícil responder a isso. O desafio é desenhar uma intervenção em conjunto com a sociedade civil através da AMA, a empresa e o Governo. A empresa não pode fugir às suas responsabilidades numa área pobre e com muitos problemas». Afirmou que querer solucionar os problemas a curto ou médio prazo é uma miragem.
Intrumentos usados na lavagem da areia 'camada".
  «Todos estão a tentar apanhar a sua própria riqueza, ninguém está interessado em fazer o bem para o desenvolvimento da sociedade. Mesmo as pessoas do governo, também estão a tentar ver se encontram alguma pedra para melhorar a sua vida».

Por seu turno, Nyelete Amado disse que as pessoas que estão a explorar as minas em Namanhumbir não estão a trazer benefícios aos residentes, mas antes uma grande confusão. «Estão a entrar muitas pessoas de fora, estão a criar conflitos sociais, criminalidade. Eu acho que existe o potencial de realmente tornar isto num benefício, mas para tal é necessário uma intervenção estruturada, organizada de todos os accionistas, o que não está a acontecer. Não há sinal de que isto venha a acontecer», rematou.

Apesar de não ter sido detectado um impacto ambiental negativo provocado pela exploração mineira, o estudo recomenda a implantação de estratégias de mitigação, prevenção ambiental, a fortificação das comunidades com conhecimento, métodos de advocacia na defesa dos seus interesses face às empresas e ao Governo.

 Inclusão das comunidades

 Tomás Langa disse que as comunidades têm de ser formadas para poder exigir a integração das suas necessidades [inclusive a indemnização das machambas confiscadas] no âmbito dos programas de responsabilidade social. De acordo com o estudo, a exploração de rubis num futuro próximo incluirá as comunidades, de maneira que estas possam se beneficiar economicamente. Por isso, recomenda a criação de projectos que visem o aumento das capacidades de produção agrícola, assim como das possibilidades de comercialização dos seus produtos, para assegurar que a população tenha outras oportunidades e não dependa só da indústria de extracção mineira.

COMUNIDADES DE AFUNGI querem mais clareza sobre projectos da Anadarko

Texto e fotos: Estacios Valoi 13/06/2014 (in Soldoindico)As comunidades da península de Afungi no distrito de Palma em Cabo Delgado - local onde as companhias Anadarko Moçambique e a ENI poderão implantar o projecto de liquefacção do gás natural explorado na bacia do Rovuma – continuam preocupadas com a forma pouco transparente como decorre o processo de reassentamento das mais de duas mil famílias que terão de deixar as suas residências para dar lugar a este empreendimento. 
Palma Afungi zona onde sera instalado o LNG
O desalento em relação ao modo como é feito o inventário patrimonial das famílias foi reiterado à Ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias, que no quadro da sua visita de trabalho a Cabo Delgado manteve um encontro, semana passada, com as comunidades de Afungi. 

No referido encontro entre a ministra dos Recursos Minerais e representantes da Anadarko, os residentes daquela península acusaram mais uma vez os líderes e o governo local de não estarem a defender os interesses da comunidade. 

Em Abril, o Centro Terra Viva iniciou o aconselhamento e a assistência jurídica a estas comunidades com o objectivo de salvaguardar os seus direitos em virtude de o Governo se ter demitido destas funções. 

Na reunião de semana passada, a ministra dos Recursos Minerais afirmou que não compete apenas aos líderes comunitários informar a população sobre os projectos que decorrem em Afungi. «Não só as pessoas da comunidade detêm informação, as instituições do estado também devem permanentemente informar a população sobre o projecto, e envolver as comunidades na solução dos problemas que vão surgindo», disse Esperança Bias. 
Ministra dos Recursos Minerais, Esperança Bias e o representante da ANADARKO

Esperança Bias garantiu, no entanto, que todos serão abrangidos pelo processo de recenseamento que já decorre nas aldeias de Senga, Quitunda, Patacua, Mipama, Mangala, Mondlane, Nsemo, Nfunzi, Maganja, Manganja-Velha e na Vila de Palma-Sede nos bairros de Bagala, Barabarane, Incularino, Manguna, Muaha e Quilawa.

 «Ainda não fechámos por completo o censo nessas aldeias. Há ainda alguns agregados familiares por recensear. A maior parte destes correspondem a pessoas que não se encontravam em suas residências no momento em que as equipas de censo para lá se dirigiram», dissea ministra dos Recursos Minerais.

A governante referiu que o executivo pretende que o processo de implantação do Projecto de Gás Natural Liquefeito decorra de forma transparente. «É objectivo do Governo que toda a gente seja envolvida neste processo, daí que há necessidade de todos participarmos no levantamento dos dados, pois, isto vai permitir planificar as actividades futuras», disse. A Anadarko necessita de sete mil hectares de terra – ora ocupada por 11 comunidades - para construir a fábrica de GNL e outras infra-estruturas de apoio. ...reina um cepticismo em relação às oportunidades de emprego para os nativos.
Com o empreendimento poderão aumentar as oportunidades de emprego, o acesso a bens e ser viços. Mas poucas garantias existem em relação à admissão das comunidades nas futuras empresa.  
Membros da comunidade de Afungi
 Enormes expectativas das comunidades em relação ao GNL

 Em Afungi há muita expectativa quanto ao desenvolvimento que a instalação do projecto GNL irá trazer para a região, mas também reina um cepticismo em relação às oportunidades de emprego para os nativos.

Com o empreendimento poderão aumentar as oportunidades de emprego, o acesso a bens e serviços. Mas poucas garantias existem em relação a admissão das comunidades nas futuras empresas. No entanto durante o encontro com a comunidade, Esperança Bias frisou que o sucesso do GNL em Afungi e de outros projectos nacionais passa pela aposta na mão-de-obra moçambicana formada. A ministra dos Recursos Minerais ainda sublinhou que se o projecto do GNL acontecer dentro do cronograma previsto vai complementar os esforços do Governo no que diz respeito ao melhoramento da qualidade de vida daquela comunidade e dos moçambicanos no geral.  

Simulação de consultas públicas e violação de direitos

 A Plataforma da Sociedade Civil Sobre Recursos Naturais e Indústria Extractiva criticou no inicio do ano processo de implantação do projecto da fabrica de Gás natural Liquefeito tendo apresentando em conferencia de empresa convocada para o efeito cinco questões de fundo que estariam a manchar o empreendimento.

 As organizações da Sociedade Civil acusam as autoridades públicas de simularem consultas públicas, de bloquear o trabalho das Organizações da Sociedade Civil, de intimidações policiais às comunidades locais e de violar os direitos das comunidades de Afungi, de comunicação de mensagens contraditórias, violação dos direitos de ocupação das comunidades afectadas pelos projectos e violação do princípio da precedência do licenciamento ambiental sobre a emissão do DUAT.

 Importa explicar que os dois últimos pontos decorrem do facto de o Governo ter emitido uma licença de uso e aproveitamento da terra, em nome da Empresa Rovuma Basin LNG Land (RBLL), uma sociedade por cotas, constituída pela Anadarko Moçambique (AMA1) e pela Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), antes do licenciamento ambiental conforme, contrariando o previsto na lei.

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Contrabando de madeira

Negócio que lesa Estado em mais de 7 mil milhões de meticais 

Texto e fotos: Estacios Valoi 02/05/2014

(www.soldoindico.co.mz) São duas horas da madrugada. No meio do silêncio e da escuridão os agentes de fiscalização apercebem-se da presença de furtivos no Parque Nacional das Quirimbas (PNQ). Munidos de cinco armas AK-47, iniciam a perseguição aos contrabandistas de madeira que se fazem transportar numa viatura Land Cruiser carregada de madeira.

Depois de uma longa perseguição, os furtivos desaparecem no meio da mata. Este é um episódio que se repete com frequência no PNQ mas desta vez contou com a presença da nossa equipa de reportagem. «Estamos aqui e, há furtivos que estão a cortar árvores noutras áreas na margem do rio Montepuez.

Pau-preto, corte ilegal feito pelos furtivos a espera de ser removido-Muaj,Ancuabe-Cabo Delgado
A viatura que temos é polivalente: operamos em todos os distritos abrangidos pelo Parque Nacional das Quirimbas, desde Ancuabe passando por Meluco e Quissanga até Macomia», afiança um dos elementos da fiscalização que preferiu o anonimato após mais uma perseguição frustrada aos madeireiros furtivos que, sem dó nem piedade, desflorestam as matas do país.

Os madeireiros furtivos, no entanto, para lograrem os seus intentos, contam com a conivência de alguns fiscais e agentes da polícia. «Este carro, carregado com estas tábuas de 15 centímetros cada, pertencem a um polícia. Foram apreendidas no distrito de Ancuabe na aldeia Muaja no interior do Parque Nacional das Quirimbas, perto da montanha Chirimba, zona onde existe muito contrabando de Madeira», disse. A vida luxuosa de alguns fiscais denuncia o envolvimento daqueles no contrabando da madeira, um negócio ao qual estão também ligados algumas figuras da actual nomenclatura política.

No ano passado, um documento publicado pela Agência de Investigação Ambiental, organização não-governamental do Reino Unido, relacionou o actual ministro da Agricultura, José Pacheco, e o antigo titular da pasta, Tomas Mandlate, à exploração ilegal de madeira por empresas chinesas.

Madeireiras sem licença continuam a operar Algumas empresas continuam a explorar madeira em Cabo Delgado, apesar da Direcção Provincial da Agricultura ter cancelado as suas licenças de exploração de recursos florestais e faunísticos.

As companhias forjaram novas técnicas de contrabandear a madeira, principalmente nesta fase em que o número de empresas com licenças simples reduziu significativamente. O número de licenças emitidas reduziu de 157, em 2012, para 15 em 2013. No entanto, para prosseguirem com as suas actividades, as operadoras do ramo madeireiro que têm as licenças canceladas, actuam através das suas empresas associadas.

 Por exemplo, a empresa Mofid. Lda. a quem foi retirada a licença por um período de um ano, «continua a operar através das suas empresas associadas nomeadamente a Henderson Internacional, Jian Internacional e Kam Wam».

A Direcção Provincial da Agricultura cancelou em 2013 as licenças de exploração de recursos florestais e faunísticos as empresas Mofid, Gak, Kingway, Wood export e João António e outras identificadas pelos nomes dos seus proprietários, como no caso de Machude, Tualibo Adelino, Guilhermina Quivalaca, Flávia Fortunato, Chareia Zulficar, Cecílio Ali e a Panga e Comadel por estarem envolvidas no contrabando de madeira.

Tronco abatido com e por baixo o nome do cliente
Contrabando de madeira lesa o Estado em mais de 7 mil milhões de meticais 

A Universidade Eduardo Mondlane (UEM) divulgou a 24 de Fevereiro um estudo sobre a exportação ilegal da madeira em Moçambique. Os números são assombrosos e ilustram quão assustadora é a realidade do contrabando da madeira de Moçambique para a China. O relatório da UEM indica que a madeira abatida em 2012 foi de 900 mil metros cúbicos, uma diferença astronómica comparativamente aos 321 mil metros cúbicos, licenciados pelo Ministério da Agricultura para o mesmo ano.

O relatório publicado por aquela instituição do ensino superior refere que «mais de dois terços de toda a exploração madeireira actual é ilegal, os níveis de exploração sustentável estão a ser barbaramente excedidos».
 O documento também aponta que, desde 2007, que os níveis de exploração ilegal de madeira vem aumentando a cada ano – algo que não constitui nenhuma novidade – a não ser o aumento dos 88 por cento que segundo o relatório vem se registando desde aquela altura. Ainda de acordo com o referido relatório são cortadas todos os anos de forma ilegal quantidades de madeiras que equivalem a 250 milhões de dólares (7.500 milhões de meticais).

 Dois meses após a publicação do relatório da UEM, o parlamento moçambicano aprovou a Lei de Conservação de Floresta e Fauna Bravia que, entre outras multas, estipula uma pena de prisão que varia de dois a 12 anos. Contudo, até que a lei entre em vigor em 2015, mais campos de futebol continuam a ser criados pelos contrabandistas de madeira.

Industrias de abate e transformacao de madeira nas matas -Muaja-Cabo Delgado
Instalação de indústrias transformadoras nas matas 

Os contrabandistas instalaram nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Zambézia indústrias transformadoras para facilitar a retirada da madeira do território nacional. Recentemente, a nossa equipa de reportagem percorreu algumas das matas da província de Cabo Delgado, tendo-se inteirado de como decorre o processamento e a exportação ilegal da madeira. Com recurso a técnicas e ferramentas antigas como serras manuais, os madeireiros furtivos transformam os troncos em pranchas e depois vendem-nas aos seus clientes chineses.

Para que não seja identificada como ilegal, os compradores misturam a madeira contrabandeada com a já declarada legal. Há, no entanto, casos em que os agentes de fiscalização apreendem madeira contrabandeada, como foi exemplo o episódio a que a nossa equipa de reportagem assistiu em Muaja, no distrito de Ancuabe.

Um dos fiscais - que preferiu o anonimato - revela que a exploração ilegal tem atingido contornos alarmantes. «Esta madeira é toda processada aqui. Depois eles exportam parecendo que compraram oficialmente. Toda esta área de Muaja está inundada de madeira», disse o fiscal acrescentando que «agora estamos a ver se retiramos esta madeira apreendida o mais rápido possível, porque, caso não, os furtivos vão levar a madeira esta noite. Ou vamos ter de deixar alguns fiscais para guardá-la até amanhã».
Viatura da empresa Mofid cheia de madeira, especie Pau-Preto entre Montepuez e Muaja

Rotas e mercados do contrabando da madeira 

Segundo os agentes de fiscalização das diversas matas escaladas pela nossa equipa de reportagem, os furtivos mais astutos vêm do distrito de Montepuez, onde existem indústrias chinesas de venda de madeira, e onde estão sediados os maiores compradores de madeira furtiva. «Quando roubam aqui mandam vender em Montepuez. Cortam madeira e escondem em Muaja no posto administrativo de Mesa».

Em Montepuez, a madeira chega em toros e prancha. A chafuta e o pau-preto são as espécies mais procuradas. Um metro cúbico de pau-preto ronda aos 500 dólares (15 mil meticais). «Vendem para chineses em Montepuez, um chamado Cabeça Grande e outro Casca de arroz. Temos outros madeireiros furtivos como Jacinto Salati e Buana», acusou o fiscal.

 Em Niassa, a madeira é escoada através do porto de Dar-Es-Salaam, facto que, segundo o administrador da Reserva Nacional do Niassa, Cornélio Miguel constitui outro grande problema. «A madeira da Reserva Nacional do Niassa é exportada para o território tanzaniano com a conivência dos agentes da guarda fronteira», acusou o dirigente.

CAÇA FURTIVA DE ELEFANTES

MOÇAMBIQUE E O DRAMA

Texto e fotos: Estacios Valoi 18/04/2014

(www.soldoindico.co.mz) O parlamento moçambicano aprovou, na semana passada, a lei que criminaliza a caça furtiva de espécies em extinção com uma pena que varia dos oito aos 12 anos.
Esta aprovação ocorre depois de, em meados de Fevereiro, Moçambique, juntamente com outros 39 países, incluindo Angola, ter ratificado, em Londres, a Convenção para o Comércio Internacional de Espécies em Perigo de Fauna e Flora Selvagem.

Luwire Elephat
Algumas das directrizes acordadas estipulam tolerância zero no combate à corrupção e lavagem de dinheiro relacionados com o crime da caça furtiva, reforço da legislação penalizadora, assim como incentivo aos Governos que destroem produtos provenientes de espécies em vias de extinção, como por exemplo o marfim. Moçambique perdeu mais de metade da sua população de elefantes devido à caça furtiva que envolve líderes locais, fiscais, caçadores de troféus tanzanianos, quenianos e somalianos, cujo marfim tem, como destino principal, a China.

Na semana de 13 a 18 de Janeiro de 2014 foram abatidos 11 elefantes, recuperadas 20 pontas de marfim e destruído um acampamento de caçadores na Reserva Nacional do Niassa (RNN), entre a concessão de Luwire-Lugenda e Kambako, esta última, um dos epicentros da caça furtiva do paquiderme. Devido à caça furtiva, o número de elefantes em Niassa reduziu de mais de 20 mil em 2009, para os actuais 14 mil. E no Parque Nacional das Quirimbas (PNQ), na província de Cabo Delgado, o cenário não difere.

Do registo publicado pela Worldwide Fund for Nature (WWF) consta que, «em 2008 existiam dois mil elefantes, sendo que em 2011 já só havia 517». Segundo outras fontes no local, actualmente o número de elefantes está entre os 200 e os 300, sendo que cerca de 75 por cento foram mortos por caçadores furtivos. Nos últimos três anos intensificavam-se as vozes que acusavam o Estado Moçambique de não estar a proteger as espécies em extinção.

Na Coutada Luwire-Lugenda
Uma das acusações veio em 2012 da organização ambientalista WWF na pessoa do Lamine Sebogo, especialista em elefantes da organização ambientalista em Nairobi, no Quénia, que considerou que «Moçambique falhou, a todos os níveis, no que diz respeito ao cumprimento e aplicação das leis de proteção das duas espécies assinaladas pela WWF. A situação dos rinocerontes é muito má e o mesmo acontece com os elefantes».

NIASSA/KAMBAKO 

Uma reserva dentro da RNN onde reina a anarquia total O administrador de Montepuez, Arcanjo Cassia, e seus vinte acompanhantes estiveram presentes num encontro que teve, como agenda, a análise da caça furtiva na Concessão. Facto curioso, o Administrador da Reserva Cornélio Miguel não tinha sido convidado nem teve conhecimento, não estando portanto presente na farra do final do mês de Setembro.

A Concessão de Kambako tem a maior concentração de furtivos.


 A maior parte dos elefantes foge desta concessão para Luwire-Lugenda à procura da protecção dos cerca de 80 fiscais de Luwire. Kambako e a sua gerência não admitem a permanência dos fiscais ajuramentados da reserva-Mabatamila. Pior, não têm seus próprios fiscais como a Luwire que, em conjunto com os de Mabatamila, vão cobrindo as zonas de Mariri, e outras. Em Kambako apenas existem guias à disposição dos caçadores de troféus que vão para aquele local. «Na zona da Kambako, que faz fronteira com Cabo Delgado, entre Montepuez e Mueda, fazem e desfazem.

É onde há o maior número de carcaças. Olhamos para o valor de 25 mil elefantes neste país, e isso é o que já foi destruído. Para as comunidades, não há nenhum benefício substancial proveniente dos elefantes abatidos. Apenas existem poucos jovens conduzindo motas fantasiadas com telefones do mesmo género, gastam dinheiro em mulheres e bebidas alcoólicas. Não estão a construir casas, infraestruturas, contribuir para o crescimento, desenvolvimento.

Na margem esquerda do Rio Lugenda a subir para Kambako mata adentro-Niassa
É basicamente dinheiro perdido, assim como os recursos!», disse uma figura proeminente na área da segurança da Reserva Nacional de Niassa. Só no bloco L-5 Mariri, a mais pequena concessão na Reserva Nacional do Niassa e única virada para a protecção ambiental, as perdas não foram poucas. Desde 2010, quando a caça furtiva ao elefante estava ainda no seu início, perderam-se 70 elefantes, e, na semana passada este número aumentou para 72, numa área apenas de 500 quilómetros quadrados. A RNN já perdeu mais de 2.500 elefantes.

Este fenómeno não se circunscreve apenas a esta Reserva, mas a todo o continente africano. Só no ano de 2012, África perdeu cerca de 35 mil elefantes.

Muitas vezes não são cidadãos moçambicanos que disparam mas, são eles que, a troco de dinheiro, guiam os caçadores furtivos até o paradeiro dos elefantes. «Penso que isto recai mais no tipo de caçadores furtivos que nós encontramos na nossa coutada e são maioritariamente tanzanianos acompanhados de moçambicanos em grupos de entre 7 a 10 indivíduos, geralmente munidos de três armas de fogo que são trazidas pelos tanzanianos ou pertencentes a alguns moçambicanos, mas não das pessoas dentro da reserva», disse a fonte da RNN.

 Armas e técnicas no furtivismo

 «Ouvimos tiros fora da nossa concessão, do outro lado do rio Lugenda. Relativamente à PKK – metralhadora semi-pesada - , não confirmamos o uso desta arma, provavelmente porque ainda não deparámos com caçadores furtivos munidos deste calibre “arma de um batalhão militar”, assim como não capturámos ninguém com este tipo de arma, apenas confirmamos o uso da AK-47», conta uma fonte ligada a direcção de uma das concessões da Reserva Nacional do Niassa. Segundo a mesma fonte não são apenas tanzanianos que fornecem armas de fogo aos moçambicanos. «Não podemos dizer os nomes, mas sempre recebemos informações de furtivos que dizem que coordenam com a polícia.


Também não pode ser um polícia qualquer, tem que ser um polícia chefe como o comandante do distrito, comandante das operações e que tem a capacidade de dizer "olha leva esta arma para entregar ao fulano”. Os somalianos não vendem marfim para os chineses, levam-no para o Norte de África e não sei para quem vendem. Outro maior problema que enfrentamos é o envenenamento dos elefantes. O departamento da agricultura está a promover o desenvolvimento da cultura do tabaco e fornece insecticidas. É muito negativo para a própria reserva pois as pessoas aprenderam que o insecticida pode matar o elefante».

 Mas as técnicas dos caçadores furtivos não param por aqui. Por vezes, partem garrafas, moem-nas, misturam com mel, o elefante come-as e estas vão dilacerando os intestinos do paquiderme até à morte. Por vezes, os furtivos fazem uma cova com mais de um metro de profundidade, poem bambu ou estacas com pontas aguçadas e por fim cobrem a parte superior com folhas ou capim. O elefante cai na armadilha, e é totalmente perfurado.

Também existe o uso do cabo de aço, feito ao estilo de uma forca. O elefante mete a cabeça, luta até à exaustão, e acaba por morrer sufocado. Estas são apenas algumas das armadilhas por nós constatadas após um elemento da fiscalização ter caído na armadilha de bambu aguçado. Sorte pois não morreu. Na Reserva Nacional do Niassa há um médico que cuida da saúde dos fiscalizadores e carros em movimentos para prestar apoio a estes em caso de necessidade.

Abates em excesso e aviões 

O espaço aéreo na RNN é uma rota internacional de aeronaves. Contudo, são várias as avionetas que por lá aterram transportando turistas, caçadores de troféus, etc.

A Concessão de Kambako também tem os seus clientes. Cada concessão tem uma ou duas avionetas, geralmente usadas para aquisição de géneros alimentícios e equipamentos de trabalho em Cabo Delgado. O uso de avionetas facilita a retirada do marfim da RNN. «O que mais acontece é que eles abatem animais excessivamente.

Eles podem fazer concurso para o abate de apenas dois elefantes, e os turistas ou caçadores de troféus podem abater mais de quatro. Quando se apercebem do excesso, reportam para nós a dizer que entraram ou que foram caçadores furtivos que abateram os elefantes», disse um elemento ligado à fiscalização acrescentando que «nós vamos lá para essas concessões onde estão autorizados a fazer disparos na caça. Fazemos a peritagem, procuramos vestígios de caçadores furtivos, e constatamos que não há vestígios de furtivos, descobrimos que os turistas é que abatem. Nós temos estas informações. Isto existe.

Perguntei ao próprio administrador para dizer qual é a política de controlo de abate de animais mas o mesmo não conseguiu responder como devia ser. Isto para dizer que alguém está por detrás desses assuntos todos. Então aqui há um jogo de interesses de todos e assim nós não vamos poder desenvolver, não vamos». A nossa reportagem confirmou pelo menos o abate de um elefante feito por um profissional com uso a uma arma de caça moderna e o tiro certeiro no coração do elefante na concessão de Kambako, isto 3 a 4 dias após o animal ter sido morto.

Por seu turno, Dave Lawson da World Wildlife e gestor da Reserva Nacional do Niassa defende o envolvimento de todas as partes interessadas na defesa das reservas nacionais. «As pessoas já se apercebem que lugares como o Niassa são de facto a salvação do mundo e, penso que farão o que for necessário para a sua protecção.

 Mas a questão é: estamos de facto interessados na proteção do elefante?» questiona. Dia-a- dia dos fiscais na ‘guerra’ contra furtivos na RNN e PNQ Os elementos da fiscalização da Reserva Nacional do Niassa e do Parque Nacional das Quirimbas queixam-se de más condições de trabalho e acusam as autoridades locais de deixarem à solta os caçadores furtivos mesmo depois de estes terem confessado o seu envolvimento neste crime.
 

No entanto fontes da direcção Nacional do Niassa afirmam que os fiscalizadores têm alimentação garantida. «Neste momento estamos a formar jovens fiscais. Temos encontrado formas de arranjar fornecimento de alimentos para estes fiscais porque se temos jovens a ir para o mato confrontar caçadores furtivos, é preciso velar por eles, alimentá-los de forma adequada, adicionar a dieta necessária. Em termos de custo, apenas para os serviços básicos na reserva, provavelmente ronda 700.000 USD por ano, para um país como Moçambique é uma soma considerável, estamos agradecidos. Mas quando olhamos para a o tamanho desta zona remota, penso que é razoável», disse fonte ligada a Reserva Nacional do Niassa.

 A nossa reportagem levou mais de uma semana para ver elefantes vivos. De Taratibo a Mareja, duas concessões do Parque Nacional das Quirimbas (PNQ), noites pernoitadas no mato a cerca de 10metros do bebedouro dos paquidermes, não vimos mais do que um grupo de 15 tentando beber água e com permanente vigilância do líder do grupo. Os paquidermes andam traumatizados, vigilantes de tanto medo dos furtivos. Quando os elefantes se aperceberam da nossa presença, saíram em debandada, varrendo tudo o que encontravam pela frente. Num outro dia o cenário não foi diferente.

Voltávamos nós da mata quando de repente ouvimos cinco tiros de uma AK-47, retornámos à mata, duas equipas de dois elementos, a nossa reportagem e o fiscal do PNQ com uma AK-47 e do outro lado dois fiscais não ajuramentados da concessão Mareja-Dominique com uma Mauser Russa. Seguimos as pegadas dos furtivos e as marcas deixadas pelo elefante que perseguiam. Foram horas e horas no mato. Não tardou que os furtivos pusessem o capim em chamas, bloqueando a nossa passagem para a zona do bebedouro para onde o paquiderme fugira.

Quase cercados pelas chamas, e graças aos rádios transmissores da concessão Mareja e não dos fiscais do parque, porque aqueles não os têm, saímos a correr do mato onde por pouco ficávamos carbonizados. As chamas foram até as instalações de Mareja-Dominique, a balde de água fomos debelando o fogo.

 Ali elemento da fiscalização do Parque Nacional das Quirimbas reportam-nos o quão difícil tem sido o seu trabalho. «A actividade diária da fiscalização é complexa, com muitos riscos e com muitas dificuldades. Aqui no mato podemos agora ouvir balas, disparo de uma arma contra nós porque os caçadores furtivos andam com armas de guerra, flechas ou azagaias envenenadas.

Há missões de quatro, dez dias no mato. Já tivemos confrontos bala a bala com furtivos na zona de Mareja-Quissanga, entrámos via Tororó e fomos sobressair na Ilha de Natuco, aldeia de Natuco, onde fomos apanhar furtivos armados e recuperámos 436 munições, Kit de medicamentos e logística! Era um conjunto de coisas o que significa que há um patrão que está a financiar aqueles sujeitos», disse um elemento da fiscalização.

A fonte queixa-se ainda do facto de os furtivos estarem melhor equipados que os elementos da fiscalização e os riscos de vida que regularmente correm - que não são nada poucos. «Aqui só temos AK-47 e uma Mauser Russa semiautomática, é intolerável! Trata-se de um sítio onde enfrentamos situação de guerra pois aqui existem furtivos armados. Não temos kits de medicamentos para primeiros socorros.

Há problemas de transporte. Não temos rádios transmissores, temos que usar os nossos telefones, e o nosso crédito. Às vezes, quando estamos numa zona sem rede temos que subir a montanha para telefonar mas existem zonas onde não há rede de telefónica móvel, mesmo subindo a montanha, e não é fácil comunicar ou dar uma informação urgente.

Então somos obrigados a permanecer em risco», disse. Sem uma dieta adequada, com insuficiência de meios de trabalho, os elementos da fiscalização consideram que não há muito que se possa fazer para proteger os animais em extinção. «Com esta logística não dá para fazer patrulhamento numa mata como esta. Por exemplo, temos feijão, quando é que este feijão vai cozer para fazermos o almoço, jantar e entrar no mato, temos problemas de água, temos que comprar pão e açúcar com o dinheiro do nosso bolso.

Não temos botas, fardamento suficiente, como estás a ver eu uso o meu próprio sapato, isto para além do próprio armamento que estamos a usar. Alguns caçadores furtivos que confessaram o seu envolvimento neste crime andam à solta e continuam a perpetrar as suas actividades criminosas com a anuência das autoridades policiais.

A fonte de fiscalização contou à nossa reportagem que «no mês de Novembro de 2012, prendemos um indivíduo de nome Walopakanikane com mais 300 munições, o maior furtivo, que opera entre Niassa e Cabo Delgado. Naquele dia ele declarou sobre o seu envolvimento. Levámo-lo às autoridades mas passado algum tempo foi liberto. Já está connosco aqui no parque e está equipado! Onde apanhou o equipamento e como é que saiu da cadeia? Até agora nos interrogamos. O que também é um risco maior».

As dificuldades vividas pelos elementos da fiscalização das outras concessões do PNQ repetem-se na Mareja-Dominique. Os fiscais desta concessão enfrentam as mesmas dificuldades também reportadas por uma fonte que não se identificou por temer represálias. «É uma área de 36 mil hectares. O efectivo é insuficiente, somos 10 pessoas assim como armas e munições.

Aqui só temos esta Mauser Russa e os furtivos têm uma AK-47 com 38 munições, e se levam dois carregadores, contra nós com três munições? Faz de conta que nós não levamos nada! Quase impossível controlar, por isso temos pedido auxílio do parque para ver se nos podem ajudar a fazer algumas patrulhas dentro da área», conta a fonte. O elemento da fiscalização da Mareja-Dominique lamentou à nossa reportagem o tipo de alimentação que lhes é proporcionado por aquela concessão do Parque nacional das Quirimbas. «Recebemos três latas, essas canecas de arroz, um copo de feijão e 250ml de óleo. Se recebemos hoje, só passados três dias é que temos mais.

Da outra vez não se recebeu óleo, apenas arroz e ervilha, são três copos, é insignificante. Hoje vou dividir um copo para o almoço, jantar e pequeno-almoço. O que sobrar é o que vamos comer amanhã! Os salários, uma miséria, não vão segundo o estabelecido na lei de trabalho, salário mínimo. Aqui são 1.500 meticais para baixo por individuo». “Créditos, programa Wits University - China-Africa e Fórum para Jornalistas de Investigação Africanos (FAIR) ”

segunda-feira, 31 de março de 2014

Managing fisheries properly will save livelihoods in Mozambique


(M&G)Managing fisheries properly will save livelihoods in Mozambique, writes Estacio Valoi.

 In northern Mozambique, fishing is life. It’s the primary source of protein for villagers, and the livelihood behind artisanal fishermen and the thousands employed in fisheries markets.

Like many other fisheries around the world, however, Mozambique’s oceans are being overexploited and illegally looted, resulting in fragile ecological systems that are incapable of producing more fish and are bordering on collapse. For citizens in the northern province of Cabo Delgado,overwhelmingly sustained by fisheries, the situation has become dire. International scientists have predicted that current global rates of overfishing, pollution, habitat loss and climate change will see the world’s oceans empty of fish by 2048.
Pemba
  In Cabo Delgado it may come earlier, said local representative of the Global Fish Alliance Isabel Ferreira. “The problem of overexploited natural fisheries throughout Cabo Delgado province is exacerbated by illegal marine-stripping by citizens from neighbouring countries, such as Tanzania,” Ferreira said. “Fishers also destroy the corals in their efforts to find the lairs of octopuses.”

Fish production In the port city of Pemba, which has the third-largest bay in the world, an increasing number of fishermen return from the sea empty-handed. In five to 15 years, predict specialists, the artisanal tradition of these fisherman may no longer exist because of the damage to the ecosystems.

“For us today, life is not easy because we stay in the sea for hours and sometimes we come back with nothing, or just small fish. Some people are even using mosquito nets to catch the smallest fish,” said one fisherman. Fish production in Pemba totalled 8 600 tonnes in 2013.

This was enough to supply just 9kg of fish to each inhabitant, below the World Health Organisation’s recommendation of 11kg per person. “The business of sustainable fishing is to support the communities, and to organise and improve fishing practices,” said Ferreira. She cited the practice of using mosquito nets, which catch tiny fish and prevent them from maturing and reproducing. “These fish,” she said, “will disappear unless ecological knowledge and appropriate techniques are passed on.” Pemba bay is characterised by corals and nurseries where fish deposit eggs and multiply.


 Pemba Beach erea , woman fishing with Mosquito nets 
 Mosquito nets destroy the eggs and damage the corals. Other problems resulting in devastated ecosystems, not just in Pemba, but throughout Cabo Delgado, include disappearing sea turtles, shark poaching for the fins, depletion of shellfish and pollution from large ships. Coral reefs Marine biologist Isabel Marques da Silva said the northern coast of Mozambique still had some of the best-preserved coral reefs in the Indian Ocean.

“These corals are less exposed to the impacts of climate change due to the configuration of the islands, which have great depths between them, enabling more water to move between the islands and cover the corals.” Da Silva is working on a model, previously implemented in Madagascar, where for periods of one or two months people are not allowed to fish in certain areas, giving those particular fisheries time to recover.

She is also focusing on women who, as the main householders, catch octopus to feed their families. They are encouraged to catch octopuses weighing more than 2kg instead of small ones. “This management of their own catch will bring more benefits for these women in the long run,” said Da Silva. “We can’t force them to change, it must come from them. Once they can see it is more sustainable, they can choose for themselves.” Perhaps a bigger threat to the coral reefs are the pipelines and drilling for natural gas along the coastline.

South Africa’s Sasol and Italian company ENI are among the companies eyeing the commercial development of more than 65-trillion cubic feet of recoverable natural gas offshore of northern Mozambique. Several non-governmental organisations are dealing with these issues through a fishery management project under the umbrella of the Global Initiative for Fisheries Management. It aims to help create sustainable fisheries for ecological conservation as well as community needs in Cabo Delgado.

“Our greatest tool is communication,” said Robert Martin from the US-based Centre for Environment, Energy and Economic Development. “It’s a global initiative and we have similar projects in Honduras and Cambodia.” Cabo Delgado’s former provincial director of fisheries, Mário António Carvalho, said one of the ways to save the livelihoods of artisanal fishermen would be to enable them to fish in the open sea. “In Cabo Delgado the artisanal fishermen are confined to fishing within three miles of their territory,” said Carvalho. “Certain fish types are in constant motion and this means that the local fishermen lose out if they do not catch them here.

Pemba Fish Market  between  Paquitiquete and  Wimbe
The government’s strategy is to try to keep these resources accessible during the period when they are in our waters.” Illegal fishing Illegal fishing is a constant in the area, according to João Manuel from the World Wide Fund (WWF) for Nature in Cabo Delgado. “We have found some Tanzanian vessels engaged in illegal fishing, even within the Quirimba National Park,” he said. “This poaching normally occurs in the most remote areas, away from police scrutiny.”

Illegal techniques used by the poachers include sharing a diving gas bottle among a group diving at the same time, said Da Silva. “They bring generators and compressors to fill the air in their bottles. In Mozambique these are forbidden techniques. “Groups of six or seven illegal divers aggressively strip the oceans and they are unafraid of the villagers, the chief and even the police,” she said.

A Tanzanian ship recently seized by WWF inside the Quirimbas marine protected area was laden with sharks, turtles, stingrays and more than 50 litres of shark oil. It had been trawling the corals and the sea grass along the bottom of the ocean during low tide using mosquito nets. This feature has been made possible by the Mail & Guardian's advertisers. Content has been independently sourced by the Mail & Guardian's Supplements editorial team. (mg.co.za/article/2014-03-31-fishing-to-save-lives)

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

O drama da caça furtiva ao elefante em Moçambique

( In A verdade)À semelhança da redução da mancha florestal, em virtude do contrabando da madeira, de Moçambique para a China – com o envolvimento dos nossos líderes políticos –, a caça furtiva segue a mesma rota. De 2009 a 2013 foram abatidos 9.345 elefantes, quase metade dos 20.374 paquidermes que constituíam a espécie na altura. O drama é que tudo ocorre perante o olhar cúmplice de quem, por direito, além de criar, deve fazer cumprir a lei... Das outras espécies, no seu todo, na Reserva Nacional do Niassa, em 2011, existiam 13.061 animais, uma quantidade que – no ano seguinte – reduziu para 12.029. No entanto, em 2009, a família de elefantes, com 20.274, um pico alcançado naquela reserva, era a mais alargada. Pensa-se que o fenómeno deve ter decorrido da fuga desses mamíferos de outras regiões do país e da região da África Austral à procura de segurança na província do Niassa. O drama, tomando em conta a legislação moçambicana a favor da protecção da fauna bravia, não tem explicação, é que, dois anos depois, em 2011, esta quantidade reduziu drasticamente. Enquanto se espera pelos resultados do senso agendado para 2014, ainda não há dados sistematizados a nível nacional sobre a situação actual. Todavia, o abate de elefantes é uma actuação diária, sem contar com as carcaças que não são encontradas que, por isso, acabam por ficar à margem das estatísticas da Reserva Nacional do Niassa. O último senso, realizado em 2011, registou 2.627 carcaças encontradas nas quatro categorias existentes segundo as idades: a primeira compreende um intervalo de 24 horas e um mês. A segunda é composta por animais com entre um e 11 meses. A terceira é constituída por indivíduos de nove anos e 11 meses, enquanto na quarta e última categoria figuram os animais com mais de 10 anos. A maior parte das carcaças encontradas pertencem ao quarto grupo e totalizam 2.084, das quais 300 são actuais. Armas envolvidas No Bloco L-7 da Reserva Nacional do Niassa, sobretudo na coutada Luwire, ocorrem muitos episódios de caça furtiva. Na sua maioria são protagonizados por alguns chefes de tribos. Por exemplo, o chefe da comunidade de Gogemo, em Mussoma, no distrito de Mecula, Paulo Raul, foi capturado com 18 munições para armas de calibre 375 e 458. Agostinho Mungua e Raimundo Miquidade, ambos de Mussoma, também foram interpelados e detidos pelas autoridades locais, pelas mesmas razões. Existem caçadores furtivos oriundos da Tanzânia que operam numa das margens da reserva, e os naturais de Mussoma que actuam em Luwire-Lugenda. Em Musssoma, existe um caçador furtivo conhecido pelo nome de Paulo Nhenge, que desenvolve a sua actividade em Luwire na companhia de Agostinho Mungua e Carlos Ussene Maito, secretário do partido Frelimo em Mecula. “Conseguimos recuperar uma arma de caça e dez pontas de marfim”, refere o administrador da Reserva Nacional do Niassa, Cornélio Miguel. Paulo Nhenge está na posse de duas armas, duas armas de calibres 375 e 458 provenientes de um somali que foram usadas pelos caçadores no abate de um elefante que lhes valeu 400 quilos de marfim, no interior de Luwire, na Reserva Nacional do Niassa. O cidadão somali enganou os caçadores e carregadores nacionais dizendo que voltaria para lhes pagar o dinheiro combinado, deixando-lhes como garantia as armas. PRM envolvida Em conexão com o chefe tradicional de Mpamanta, um comandante distrital da PRM conhecido pelo nome Gelo, introduziu duas AKM-47 na zona da concessão de Luwire (L-7) e abateu um búfalo. No entanto, como alguns elementos envolvidos no negócio não tiraram proveito da carne, instalou-se uma intriga no seio da gangue. Em resultado disso, o comandante distrital da PRPM teve de recolher as armas antes de abater um elefante. O assunto que gerou o imbróglio conduziu à cessação de funções do secretário do partido Frelimo de Mpamanta. Por outro lado, Carlos Ussene Maito, o actual secretário do partido Frelimo em Mecula, criou uma intriga que – tendo conduzido o seu antecessor, Lopes Arida, à cessação de funções – o conduziu ao estágio em que se encontra. Fiscais ameaçados “A minha vida está em perigo. Os caçadores furtivos são soltos. Por exemplo, tenho os casos de Agostinho Mungua, Paulo Raul e Raimundo Miquidade todos naturais de Mussoma, e já estão a criar condições para o meu assassinato. Não tem sido uma missão fácil trabalhar aqui. Tivemos o registo de alguns tanzanianos, somalis e quenianos envolvidos no abate de elefantes. No entanto, vezes sem conta, quando os fiscais encontram os caçadores furtivos há troca de tiros, o que faz com que muitas vezes eles abandonem o terreno deixando as suas armas”, narrou um fiscal cujo nome não revelamos para salvaguardar a sua segurança. Um outro fiscal contactado pela nossa reportagem referiu que “na Reserva Nacional do Niassa existe uma zona “especial”, explorada unicamente por membros do Governo moçambicano. Por isso, a mesma é interdita aos fiscais. Localiza-se perto do distrito. E lá podemos encontrar 50 carcaças de elefantes abatidos”. Entretanto, alguns homens da guarda fronteira trabalham em conexão com a Polícia para abater elefantes. “Uma senhora casada com um tanzaniano contou-me que o seu marido compra munições nos agentes da PRM, para a sua actividade ilegal em Matondovela, no monte Lissimba, área de Mecula”, revelou o fiscal que solicitou que o mantivéssemos no anonimato. Na fronteira entre Moçambique e Tanzânia, a polícia da guarda fronteira moçambicana não trabalha, necessariamente, a favor do Governo moçambicano. Especializou-se na caça furtiva e na exploração ilegal da madeira que constituem actividades que valem mais sob o ponto de vista financeiro. Então, eles são o elo entre os produtos e o mercado estrangeiro. Entretanto, no meio de tanta criminalidade, ainda existem algumas pessoas que prezam a honestidade: “A minha vida está em perigo. Também existem outras ameaças, mas continuo a fazer o meu serviço, mesmo com a existência de alguns colegas que colaboram com os caçadores furtivos”. Além do mais, “estes animais são nossos. Eu tenho de mantê-los em conservação. Os estrangeiros afectos nessas coutadas nunca as poderão levar. Um fiscal de nome Matequenha que actuava no afugentamento ficou sem a arma e as munições por causa da caça furtiva. Também fui contratado para usar esta arma na caça furtiva, sou ajuramentado, por isso recusei”, refere um fiscal. As rotas do marfim Na entrada da fronteira entre Tanzânia e Moçambique, a reserva tem cerca de 410 quilómetros, onde a caça furtiva vem sendo praticada em regime de sindicatos organizados. Eles têm equipamento, técnicas, e conhecimentos no uso de material bélico para o abate de animais. Alguns entram através da cidade de Pemba, outros vão pelos distritos de Moeda e de Montepuez, mas a maioria dos caçadores furtivos utiliza a linha da fronteira. Existem caçadores furtivos do distrito de Marupá-Mecula, em Niassa, que estão acantonados na província de Cabo Delgado. Por outro lado, em Montepuez, na província de Cabo Delgado, existe o centro de instrução militar que facilita a venda de armamento e munições para a caça furtiva na Reserva Nacional do Niassa. Os maiores vendedores do marfim são cidadãos tanzanianos, mas compram-no em Moçambique. Quando vêem com os seus próprios caçadores, eles é que abatem os paquidermes. As pessoas que carregam o bicho, e as que dirigem o carro mostrando- -lhes as regiões seguras, todas recebem uma comissão pelo seu trabalho. Em Marrupa há sempre alguns chineses estacionados à espera da compra do marfim. A nossa reportagem simulou uma compra das pontas de marfim, o que nos possibilitou conversar com os vendedores, ver e manusear os produtos. Sabe-se que, em Maputo, uma das lojas se localiza na Praça 25 de Junho, e pertence à Associação dos Artesãos da Cidade de Pemba. No norte de Moçambique, o marfim entra na Tanzânia através da Ponte da Unidade, das aldeias Msisiwe, Magazing, Matwiga, incluindo as zonas de Lokwika Game Camp, Ruaha, as áreas de Arusha e Masasi, de onde o produto chega ao porto de Dar Es-Salaam através da estrada Iringa – Dodoma e é exportado para a China. Os cidadãos deste país que trabalham na construção da via também estão envolvidos nestes actos ilícitos. A lei moçambicana A actual lei moçambicana de conservação da floresta e fauna bravia favorece os sindicatos do crime de “colarinho branco”, e, embora já exista uma nova proposta para a sua revisão, submetida ao Parlamento moçambicano, a mesma só estipula uma pena de prisão de 2 a 8 anos para os criminosos. Por isso, “sentimos que a nossa legislação não penaliza as infracções do sector florestal e faunístico. Ela actua mais para questões que têm a ver com as queimadas descontroladas”, comenta um fiscal. De acordo com Cornélio Miguel, no Kruger Park fomenta-se a caça furtiva com recurso ao suborno – cerca de 270 mil meticais – mas, infelizmente, em nenhuma parte da legislação há um artigo específico sobre esse assunto. Por outro lado, o sistema de segurança dos parques e reservas nacionais é fragilizado pela existência de falsos fiscais infiltrados que, estando a trabalhar no sector, pesquisam sobre como o mesmo funciona. “Realmente existem muitos espiões na nossa segurança. Por exemplo, Zito António Nacamo e o seu tio Paulo Nhenge têm duas armas de caça. Já trabalharam juntos e ele já foi denunciado por um seu amigo segundo o qual o infractor teria roubado uma arma de fogo para a prática de caça furtiva”. Estácios Valoi(Forum for African Investigative Reporters e WITS China-Africa