quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Quelimane levou a melhor

Assembleia municipal de Quelimane aprovou em unanimidade relatórios do Conselho Municipal de Quelimane Texto e fotos: Estacios Valoi 30/08/12 Realizou recentemente a XVII Sessão da Assembleia Municipal da cidade de Quelimane na província da Zambézia que teve como pano e fundo a analise a aprovação dos relatórios relativamente ao estágio das actividades municipais durante primeiro semestre do corrente ano. De entre vários temas debatidos desde o período da manha ate ao cair da tarde cm intervenções as Bancadas da Renamo e Frelimo foram destacados o relatório das actividades do conselho municipal do primeiro semestre que foi aprovado pela bancada a Renamo e abstida pela Frelimo enquanto o relatório da assembleia municipal assim como o do fundo da pobreza urbana foram aprovados em unanimidade. Relativamente a proposta Toponímia da atribuição de nomes de personalidades que se evidenciaram no crescimento da cidade de Quelimane a algumas ruas, avenidas devolvido ao preponente o presidente do conselho municipal Manuel de Araújo disse que o mais importante era trazer este debate em Quelimane. “Bom para nós o importante era começar com o debate. Ė uma estratégia que adoptamos, sabíamos que na seria aprovado hoje. Quelimane oficialmente já começou a discutir se o general António Grouveta merece uma rua ou não. Nós estamos a dizer que sim merece e vamos ver quem é que vai negar. Se vai ser a Frelimo ou a Renamo. Para nós, os membros da assembleia municipal acompanham os trabalhos que estamos a executar e de facto concordam com aquilo que nós realizamos este primeiro semestre. Temos pela frente muitos desafios, Quelimane ainda continua no buraco em que lhe meteram e nós vamos continuar a envidar esforços no sentido de melhorarmos e, pedimos a colaboração, não só dos membros da assembleia municipal que é um dever deles mas a todos os munícipes. Os munícipes de Quelimane mostraram nestas celebrações dos 70 anos quão cívicos são, foi uma festa que nós alegrou a todos e trouxe de volta o nosso orgulho, amor pela nossa terra, vieram amigos de Quelimane, da Zambézia, filhos que voltaram”. Devolução da proposta toponímia por parte da Bancada da Frelimo Renamo que sem saida, apesar de term tentado vectar nao puderam.
Frelimo “Esta proposta entretanto enferma de algumas lacunas de substancia e de sustentabilidade histórico-cultural, concretamente a proposta não indica as avenidas e as ruas onde serão designadas pela listagem de personalidades apresentadas, pensamos que o trabalho de indicação e apresentação da proposta deveria merecer um tratamento consensual indicando para o efeito uma comissão independente inclusiva e representativa para a realização do referido trabalho Do ponto de vista da proposta esta despida de um historial da vida e obra sobre cada uma das personalidades constantes na listagem, infelizmente esta lacuna que apresenta tem significado enorme na educação patriótica e cívica para a geração presente e das futuras. A aprovação da toponímia urbana não é da competência da assembleia municipal, cabendo lhes a tarefa de apreciar e propor com fundamentos plausíveis e coerentes as autoridades competentes em conformidade com a lei sobre a matéria. A minha bancada propõe a devolução da proposta ao proponente para tratamento merecido sobre a matéria vide o artigo 179/2 linha Q da constituição da Republica”. Edil de Quelimane recorre a lei 2/97 e atira ‘batata quente” para as bancadas da Frelimo e Renamo “Facto em obediência a lei número 2/97 de 18 de Fevereiro que é a lei que aprova o quadro jurídico-legal para a implantação das autarquias locais como corolário do número 1 do artigo 135 da constituição da nossa república, o conselho municipal de Quelimane, nos termos da Alínea A, numera 3 do artigo 45 da citada lei, em obediência a competência atribuía a assembleia municipal para estabelecer os nomes das ruas, propostas, etc., nos achamos por bem de que alguns dos filhos desta terra deveriam ter seus nomes em algumas ruas Também sugerimos que uma desta cidade tivesse a honra de ter o nome do general Bonifácio Grouveta Massamba, herói nacional declarado, general do exército, autor do primeiro tiro na frente da Zambézia na luta de libertação nacional e primeiro governador da Zambézia, também estamos a falar de pessoas que ano tem nada a ver com política como doutro Aldo Markezine que tanto se notabilizou no apoio aos doentes, no desporto Joaquim João que foi durante dez anos capitão da selecção de Moçambique”. Bancada da Frelimo alega falta aprofundamento e explanação de algumas actividades nos relatórios aprovados. “ O relatório do conselho municipal que nos foi apresentado sumariza as actividades que foram desenvolvidas no primeiro semestre do corrente ano. Do nosso ponto de vista de uma listagem das actividades, algumas das quais deveriam merecer um certo aprofundamento ou melhor explanação, exemplo: Os mercados todos foram electrificados mas não nos trazem resultados e receitas que são cobrados neste período, pelo contrário registamos que o peixe é vendido a noite nos passeios como sempre aconteceu. Foram lançados livros de escritores nacionais mas na informam onde poderão ser adquiridos e quantos exemplares foram disponibilizados na cidade. Realizaram encontros com a direcção provincial da saúde com respeito a construção do hospital provincial mas não informam sobre o estágio dos trabalhos. Reactivação de centros turísticos de renome no município e sem dizer quais são, o desenho de estratégias para o melhoramento do ambiente de negócios no município e não nos é apresentado o documento, as perspectivas e entre outros, abastecimento de energia não tomamos conhecimento sobre as novas áreas porque o relatório na explicita. Registamos melhorias nos trabalhos de tapamento de buracos e saudamos este esforço”. Discursos tribais na celebração dos 70 anos da cidade de Quelimane objecto de debate e analise numa das rádios na cidade de Quelimane e não só” “Em nome da bancada da Frelimo, dos membros simpatizantes, dos munícipes dotados de bom senso manifestar o nosso distanciamento do discurso proferido no dia das celebrações dos 70 anos da cidade pelo edil. Os discursos de dirigentes no caso específico de Moçambique, não devem incitar a violência ter um pendão tribalista com características inflamatório capaz de incorrer no divisionismo quando pautamos no interesse na salvaguarda da unidade nacional” Renamo “Agradecer o trabalho muito importante que tem sido feito por órgãos de informação o qual tem nos despertado muita atenção naquilo que tem acontecido na nossa autarquia, tanto como a corrupção que tem havido no conselho municipal tanto como no governo da província da Zambézia. Alguns directores provinciais que haviam de deixar os seus lugares porque eram conotados com presidente do conselho municipal e isso aconteceu e ouvimos que esses directores já saíram. Mas antes e mais nada que nos alertou foram os órgãos de comunicação”. “Soubemos que vereador Maloa teria metido no conselho municipal o cunhado, filho e o sobrinho, que nos mercados tem havido correlação tirar o espaço de um nacional ou munícipe Machuabo e dar um estrangeiro. Esses jornalistas que fazem esse trabalho importante, sabemos que todo não são Machuabos é os considerados hóspedes. Esses hóspedes estão a fazer um trabalho muito bom para o nosso município, outros casaram com machuabos pese embora não são machuabos. Também vimos nessa propostas que não eram Machuabos mas também foram propostos para que os nomes sejam atribuídos as ruas na cidade de Quelimane, que é o contrário ao que fomos ditos aqui, é a cidade dos machuabos, esses discursos tribais, regionalistas não podem existir no nosso município, no pais e nós repudiamos”. Essa disputa que existe por falta de convivência democrática, como consequências os semáforos são destruídos após a festa da cidade de Quelimane porque nos discursos dos dirigentes quer do município assim como desta província estão a disputar semáforos. Pessoas que são dirigentes vão gastar tempo a discutir só por causa e semáforos. Nunca ouvi discutir que este semáforo pertence ao fulano. Ė caricato. Sublinhou Noe Mavereca Ainda a esteira dos discursos feitos na celebração dos 70 anos da cidade de Quelimane, o Presidente do Conselho Municipal de Quelimane Manuel de Araújo cobrindo se com pele de cordeiro perante Assembleia Municipal disse: “Gostaríamos de aproveitar esta oportunidade para esclarecermos alguns equívocos ou mal entendidos que podem ter sido causados ou por nós próprios ou pelo canal ou por parte do receptor. Nunca quisemos discriminar a alguém com base na sua raça, com base no seu local de nascimento, apenas quisemos frisar de que hospedes tem que respeitar os donos da casa e, hospedes são hóspedes”.

Sem comentários:

Enviar um comentário