terça-feira, 3 de abril de 2012

Marcus Miller o beng beng (Cape Town)




Cape Town International Jazz Festival

Texto e fotos: Estacios Valoi
Cortesia: Nil Aktar
Eram cerca das 19 horas do dia 31 de Março quando Marcus Miller tomou de assalto um dos cinco palcos o Kippies de entre os cinco instalados para acomodar o festival internacional de Cape Town na sua 13 edicao realizado recentemente na terra do Rand que contou com de 34 mil espectadores.
Foram mais de 40 artistas Hugh Masekela& e seus convidados celebrando Mama “Africa” (SA) Moreira Project (Mocambique), Marcus Miller (USA), Dave Koz &Patti Austin com conviado especial (USA), Unathi (SA), Allen Stone (USA, HHP (SA), Zakes Bantwini (SA), Nouvelle Vague (Franca), Ill Skillz (SA), Atmosphere (USA), Jean Grae (USA), Good Luck (SA), Pharoane Monch (USA), James Ingram (USA), Zahara (SA) que recentemente esteve em actuação em Maputo, Mocambique, Zamajobe (SA), Herbie Tsoaeli (SA), Dorothy Masuka (SA), Adam Glasser (UK/SA), Patti Austin Trio (USA) Kevin Mahogany (USA), The Andre Petersen Quintet (SA, USA, BL), Donald Harrison the trio/Ron Carter& Lenny White (USA), Brubecks Play e convidado especial Mike Rossi (USA/SA), Steve Dyer (SA), Sophia Foster (SA) Xia Jia Trio (China), Victor Kula (SA), Alfredo Rodriguez (Cuba), Jason Reolon Trio em performance com Buddy Wells (USA), David Sanchez e seu convidado especial Lionel Loueke (Porto Rico/Benin) Steve Dyrell (SA), Unathi (SA), Allen Stone (USA) Hassan’ adas (SA), Mike Stern& David Weckl (USA), Alexander Sinton High School Jazz Band (SA) Gabriel Tchiema (Angola), Lindiwe Suttle (SA), Virtual Jazz Reality (USA), Third World Band (Jamaica), Zakes Bantiwi (SA) e Miller mais uma vez veio ao de cima.
Foi “Convention Centre” em mais um evento produzido pela espAfrica e patrocinado pelo departamento sul-africano de artes e cultura, pela Cidade de Cape Town, Oudi Meester, Hansa, governo do Cabo Ocidental, Decas , SABC Uma viagem transcendental. Luzes, cores, sons, corpos,vida.

EV- Conhecido internacionalmente incluindo no meu Pais Moçambique com um vasto leque de admiradores, fans ou como queiras chamar e a tua segunda vez no Cape Town internacional Jazz Festival passados 13 anos, isto é estiveste aqui no primeiro festival?
MM- Claro estive cá no primeiro festival treze anos atrás eé bom estar de volta e penso em estar brevemente em Moçambique, faz tempo que tenho estado a planear ir ate Moçambique.

EV -Estas hoje de volta, treze anos não são poucos. Que mudanças constatas neste festival?
MM -Quando vim, estavam apenas a começar e a muita coisa, sobre o equipamento, logística todas essas coisas e hoje parecem estar mais juntos, coesos no que fazem, e os eventos que juntos organizam são bons e estou muito orgulhoso de ver o estágio em que levaram o festival.

EV -Em termos de gastronomia ou melhor tens cozinhado?
MM -Claro que cozinho. Gosto mais e cozinhar comida italiana.

EV -Acredito que a cozinhares comida italiana, tens que incluir todos s ingredientes, tomate, queijo, sal …. Tudo a medida certa, tudo na porção certa. Como é que cozinhas a tua musica?
MM -Ė sabe. A mesma coisa. Tens que ter certeza que começas com bons ingredientes. Sabes. Se não começas com bons ingredientes porque se não começas com bons ingredientes, não importa o que fazes, ou que cozinhas.

EV -Do teu ponto de partida, na tenra idade ate hoje, na figura, no músico que te tornaste qual tem sido a receita secreta?
MM -Muito simples, tentar. Aprendi e aprendi e vou aprendendo e fiz como a música sentisse bem refinada.

EV -Jazz comercial … a quem hoje diga que o jazz tornou se num género plástica isto por parte e alguns músicos que compõem este ritmo, mal preparados. Qual é o te u ponto de vista?
MM -Há sempre uma versão boa e ma de todas as coisas. Boa e ma musica clássica, soul e tem algum jazz que pode ser plástico mas também existem os bons músicos fazedores do jazz e é nestes que tento maior prestar atenção.

EV -Quem é o homem por detrás do musico?
MM -Para mim. Sabes. Estou sempre a ouvir, aprender e tentar reagir e aprender quão importante são as emoções porque ‘e isso que sempre meto na musica.

EV -Fizeste em outra conversa fizeste menção ao que o baixista é o pilar principal da banda. Enquanto os outros vão tocando inventado novos ritmos num só, por exemplo como se fosse um Free Jazz o homem do baixo mantém se em linha ate que todos voltem a mesma onda, as notas, a forma como tocas o baixo. Estes anos todos que foram e são para ti os melhores baixistas de todos os tempos?
MM -Para mim. He he. Admiro Lerry Graham que toca a viola baixo com Sly (Family Stone), foi o primeiro baixista pelo qual enlouqueci, levou porque mantém o bang a fluir, o bang, bang, bang em sintonia, mantém a banda em naquele estágio transcendental. Stanley Clarke que tocou com Jaco Pastorius que para mim também ‘e muito importante. São muitas baixistas. Sabes, todos sabemos quão importante é o que fazemos. Alguns dos baixistas as vezes não se apercebem, porque estão na retaguarda mas eles é que lideram a banda (Risos).

EV -Da forma como te manifestas quando estas em palco, o que tocas por vezes algumas pessoas ficam meio atordoadas, tentam procurar te em outros cantos, quando você esta deste lado, no palco de onde não saiu, o“Beng Beng”, perceber na essência o tipo de Jazz que tocas. Em tuas próprias palavras que tipo de jazz tocas exactamente?
MM -(Risos) Penso que o jazz que toco.hum, alguns consideram ser Jazz Funky. Sabes na minha musica tenho alguns ritmos e são esses ritmos sobre s quais espero que as pessoas se encontre ligados a eles, uma simbiose. Quando vens ou estas no meu espectáculo, para que não te percas com o meu corpo tento mostrar onde eu estou, como quando vou ao encontro do saxofonista e com o corpo digo o, improvisa e os espectadores podem ver me fazer o movimento e dizem, há agora vai improvisar. Podes estar meio perdido mas o meu ‘job’ e, trazer te de volta. Penso que faz mais sentido quando estas perante a banda ao vivo.

EV -Em outra conversa fizeste menção ao Milles Daves. Que experiencia tiveste do Milles?
MM -Comecei a tocar viola baixo na banda do Milles, poucos anos mais tarde também comecei a escrever musicas para o Milles, um pacote, sabes o que estou a dizer não, unir tudo a agradável, produzir, chamar, unir todos os músicos e leva-los ao estúdio… no fim era responsável por tudo, organizador. Sabes quando dizes que queres aquele instrumento, aquela bateria, liga piano. Podia dizer alto alô Milles este som 'e ruído, quero um som quente. Este tipo de coisas. Ė como estares em frente da produção de um filme. Sabes quando dizes, epa quero essa câmara deste lado, a luz não esta boa. Ė o que o produtor faz.

EV -Muitas conquistas na arena musical e em outras áreas. Que projecto tens em manga?
MM- Neste momento estou a finalizar um novo projecto intitulado” Renascença” (Renaissence). Estou feliz porque vamos fazer uma grande digressão e tenho um leque de bons músicos jovens, por exemplo Alex Conn saxofonista na casa dos vinte e três, vinte e quatro anos, muito talentoso, um solista profundo e um jovem que ‘e Luís keito que vais poder vê-los esta noite, uma boa banda, vamos fazer a digressão e transformar em algo maravilhoso.

EV -Renascença. Esta malta nova será um espelho, encontras te neste renascer?
MM -Sim claro que me encontro. Ė como nascer de novo. Sabes. A poucos anos trás fiz concerto em homenagem ao Milles. Sabes olhar para trás e agora chegou o momento de olhar para frente, para o infinito. Estou a começar e cm estes músicos teremos excelentes musicas. Vamos ter a nova e velha guarda num palco.

EV -Disseste que tens estado a pensar em fazer um périplo para Moçambique, actuar do outro lado da fronteira distante e perto do pólo sul (Cape Town). Aqui quantos músicos pensam em levar contigo e alguma troca de experiencia entre os músicos destes diferentes quadrantes, como antes aconteceu com Barckley College ?
MM -Desta, aqui vamos ter cinco músicos em palco. Há alguns contactos que tenho estado a fazer com a Berkley College e gostaria de começar porque tenho tido conversas sobre levar este tipo de projectos a África, esta vai ser a outra mais importante área em que vou trabalhar n próximos anos. Ė importante desenvolver este tipo de relação, intercambio, ligação e olhar para frente.

EV -Com é que vês o jazz aqui na África do sul treze anos depois?
MM -Ė sempre difícil prever o futuro mas está excitado em abraçar este projecto. Jazz esta cada vez mais a tornar se musica mundial e ouves muitos ritmos ligado a ele, ouves jazz com influencias africanas, ocidentais, Ásia todos ritmos num só. Ė muito excitante, é o que matem o jazz vivo, que continua a mudar e mantém as coisas na actualidade.
Escrevi uma música intitulada Maputo para o David Shonborn e Bob James que esta a fazer furor nos Estados Unidos da América, é muito, mas muito popular e algumas pessoas dizem que é com o começo do smooth jazz. Mas tenho um amigo de Moçambique que esteve a descrever sobre as praias de Moçambique e disse que eram a mais belas do mundo. Estou muito feliz com a musica porque retrata exactamente aquilo que a minha amiga Chude Mondlane relatou me sobre as praias moçambicanas.

Sem comentários:

Enviar um comentário