segunda-feira, 12 de março de 2012

A esteira dos recentes acontecimentos em Nampula



Texto e fotos: Estacios Valoi
10/03/12
A margem da visita do ministro do plano e desenvolvimento Aiuba Cuerrenea a província da Zambézia que se fazia acompanhar pelo vice ministro do interior José Mandra, quanto ao mais recente acontecimento na cidade de Nampula em que envolveu a polícia, elementos da FIR e tropas especiais de Moçambique no bairro Muatala na rua dos “sem medo”, Mandra disse que a polícia agiu porque falhou o diálogo.
“O que aconteceu é que a polícia repôs a ordem e tranquilidade na zona e isso consistiu em desalojar os guerrilheiros da Renamo que estavam a criar instabilidade, a “rua dos sem medo” tinham tornado a rua dos com medo. Era uma situação já incontornável era preciso que a policia tomasse as medidas e repor a ordem. Muitos sectores da sociedade, singulares, associações, comunidades já apresentavam uma situação de insatisfação do ambiente que existia.
Não era possível pela via do diálogo. Fizemos essa tentativa de se recorda a 60 dias que estava lá cativo um cidadão e a polícia fez de tudo e se recorda houve grupos de religiosos, lideres de diversa índole na tentativa de ver a situação normalizada para restituir a tranquilidade na zona, o que não foi possível. A policia não podia manter se impávida e serena perante uma situação de instabilidade.
Esta é a tarefa da polícia de mater a ordem e tranquilidades pública e a situação estava pior. Houve informação de que de que houve três óbitos entre os guerrilheiros da Renamo porque as condições de saneamento eram inconfortáveis por isso a polícia não fez mais nada do que cumprir a sua missão constitucionalmente consagrada”.
Um perigo aos investimentos
Pelo contrário os investimentos estavam ameaçados na situação prevalecente ate aquele dia mas não hoje. Não havia circulação da população naquela via e não podíamos manter para mais tempo e fizeram se os apelos e não tínhamos outra maneira de repor a situação. Faço votos que seja de tranquilidade e que a Renamo ponha a mão na consciência que estava a criar uma situação de desordem e uma cidade não pode ficar refém de partidos, interesses políticos inconfessáveis e tudo faremos. Ė A ordem que demos a policia, que prevalece a situação de calma e tranquilidade em Nampula.
Mas o ministro tenta minimizar que a falha do dialogo tem a ver com apenas com a permanência dos homens da Renamo no bairro Muatala o segundo mais populoso de Nampula, o que resultou em tiroteio entre a policia e os homens da Renamo.
Ė o finca-pé dos homens da Renamo, de não ouvirem os apelos de variadas partes da sociedade, singulares e nós próprios a policia utilizando meios de comunicação social, inclusive falando com guerrilheiros lá representados. Dissemos que restituíssem o cidadão a vida normal, que aquilo era Carcel privado que ninguém esta autorizado a fazer justiça pelas suas própria mãos, disseram que era espião. O diálogo era uma questão dos políticos e a polícia agiu. Tivemos uma baixa.

Sem comentários:

Enviar um comentário