terça-feira, 11 de outubro de 2011

Saúde melhorada para o povo ou para a elite?



Texto e fotos: Estacios Valoi
13/10/11
Foi semana ultima oficialmente inaugurado na Cidade de Quelimane na província da Zambézia um bloco de consultas externas especializadas com a respectiva reabilitação e ampliação do laboratório de analises clínicas no hospital provincial naquela urbe.
O empreendimento orçado em 16 milhões, equivalente a 618 mil dólares americanos, foi o montante destinado para os blocos de consultas e de laboratório equipados, climatizados num financiamento do governo americano através do seu Plano de Emergência dos Estados Unidos para o Alivio do SIDA (PEPFAR), em parceria com o governo moçambicano.
As obras que foram implementadas pelo ICAP num processo que teve duas etapas com recursos do (PEPFAR), reabilitou o laboratório de análises clínicas em blocos compostos por Pediatria, Ginecologia, Consulta da dor, Posto de Enfermagem, 2 salas de Otorrinolaringologia, duas salas de medicina, Cirurgia, Pediatria, Aconselhamento, serviço arquivo, sala de reunião, quimioterapia para tumores, copa, todas elas climatizadas.
Com intuito de galvanizar o desenvolvimento institucional e melhorar o atendimento ao publico, os dois blocos vai funcionar em dois períodos, sendo das 7h00 as 15 com o preço único de consulta 1 metical para adultos e crianças com menos de dois anos isentas de pagamento.
Já no segundo horário, isto das 15h00 ao anoitecer, caberá as condições financeiras de cada indivíduo cujo preço de consulta será estipulado na altura e de acordo com a consulta a ser feita no momento.
Durante o acto da inauguração o governador da Zambézia Itai Meque disse que tem vindo a alcançar resultados encorajadores para o desenvolvimento da província e que a infra-estrutura inaugura constitui um exemplo e boa parceria e ajuda ao desenvolvimento entre os dois povos.
“Estados Unidos da América tem vindo a implementar várias acções nas várias vertentes de desenvolvimento e porque estamos cientes que é um dia não é possível fazermos tudo, paulatinamente em parceria com os parceiros de desenvolvimento temos vindo a alcançar resultados encorajadores para o desenvolvimento sustentável do pais e da nossa província em particular.
A construção de raiz do bloco de consultas externas especializadas, reabilitação e ampliação do laboratório de análises clínicas e os respectivos apetrechos, constitui um de entre muitos exemplos da boa parceria e ajuda ao desenvolvimento que deve imperar entre os países e povos”.
Com as infra-estruturas ora inauguradas, o hospital provincial de Quelimane passa a dispor de condições de trabalho que assegurem a melhoria na prestação de serviços de saúde de qualidade aos cidadãos. Recomendar para acarinhar estas e todas as instituições publicas, assegurar a limpeza e higiene permanente, utilizando correctamente os equipamentos estalados.
Fazendo isto, estarão a valorizar e a respeitar os impostos dos nossos cidadãos e de outros países, que abdicaram de gasta-los para a satisfação das suas actividades privadas a favor das colectivas que é a melhoria do estado de saúde da população da província da Zambézia. Este é o laboratório mais grande que nós temos na região centro e poderá beneficiar as outras províncias da região”.
Segundo a embaixadora americana em Moçambique Leslie Rowe para alem desta infra-estrutura prevê se a inauguração de um banco de sangue nacional e a construção de um laboratório nacional de referencia na Província de Maputo.
“Desde 2003 o governo dos Estados Unidos contribuiu largamente para esta parceria através do nosso Plano de Emergência dos Estados Unidos para o Alivio do SIDA (PEPFAR).
Três resultados que nos realizamos juntos, exemplo em 2009, foi disponibilizado tratamento Anti-retroviral para mais de 300 mil moçambicanos, actualmente quase 70% das pessoas recebem tratamento anti retroviral em Moçambique, segundo quase 3500 trabalhadores de saúde em Moçambique, receberam algum tipo de formação na ministracão do tratamento anti retroviral proporcionado pelo programa patrocinado pelo meu governo e, em terceiro mais de 600 mil mulheres, beneficiaram de aconselhamento e testagem para a prevenção da transmissão vertical do HIV/Sida”.
“Os Estados Unidos melhoraram dezenas de instalações de saúde por todo o País como esta aqui em Quelimane. Para além destas que hoje inauguramos, prevemos inaugurar o primeiro banco nacional de sangue e a construção de um laboratório de referência em Moçambique que ajudara a reduzir a incidência de doenças transmitidas através da transfusão de sangue, que recebam sangue seguro.
Estamos neste momento a construir em conjunto um laboratório nacional de referencia para a saúde publica e cada uma dessas instalações, seja grande ou pequena vão erguer se durante muitos anos como monumentos de parceria e amizade entre as nossas duas nações. Apoiamos o esforço do governo de Moçambique na abordagem de muitas ameaças a saúde incluindo doenças não transmissíveis.




Por sua vez o director do ICAP José Lima instituição que teve a responsabilidade de reabilitar o laboratório de analises enfatizou que o laboratório de Quelimane esta entre os maiores do País”.
“Foi uma reabilitação muito grande, complexa e de alta qualidade que precisou tirar o laboratório, desloca-lo para outra área, o laboratório do hospital de Quelimane esta entre os maiores do País e de maior eficiência e qualidade no que faz.
Inclusive faz exames complexos como por exemplo diagnostico infantil de crianças expostas ao HIV. A segunda etapa foi quando se iniciou esta nova área de construção e raiz que é o bloco de consultas externas especializadas. Uma área de mais de 400 m2 e valor investido nessa área nova de mais 350 mil dólares e o importante a destacar é que privilegia muito o utente ou seja, é bastante amplo, tem uma área de espera externa com uma área de recepção para os pacientes e depois uma área de espera interna bastante ampla, ventilada”.
Directora do hospital provincial da Zambézia Virgínia Saldanha
“O laboratório das análises clínicas é de referência para a zona centro do Pais cobrindo para além da Zambézia a província de Tete e Manica, que poderá melhorar a qualidade de diagnóstico clínico de HIV/Sida nas crianças PCR nestas duas províncias. Esta entrega do laboratório, consultas externas vem minimizar a exiguidade do espaço para funcionamento destes serviços. Esperamos continuar com esta parceria em mais áreas.
Partindo do pressuposto referenciado quanto aos moldes de atendimento e pagamento no hospital “publico”, a nossa reportagem questionou ao mais badalado doutor naquele hospital Aldo Martezine, se tratava - se de um atendimento socialista ou capitalista.
“ As horas de atendimento podem prolongar se conforme a necessidade ou programa aprovado pela direcção, mas isto é feito num horário depois de acabar o serviço normal. Para assistir a toda a população e, com um metical é atendido aqui das 7h00 as 15h00.
Tem varias funções, há condições para os médicos exercerem as suas actividades condignamente. Penso que sim. Agora esta é a construção com o apetrechamento de base, depois com o uso que vamos fazer, vai faltando isto ou aquela coisa.
Deve ver alguma coisa entre a direcção, administração porque tudo é centralizado. O pagamento é feito com um depósito num gabinete específico para tal. Pagam, vão com a sua senha, entregam.
Durante a hora do atendimento normal das 7h00 as 15h00, este é para a população, paga se um metical para os adultos, crianças abaixo dos dois anos é gratuito. Quando acaba o serviço normal ate 15h00, depois começa o serviço a pagamento, serviço este que é feito por pessoal voluntario medico que queira fazer esse serviço, escolhe um dia e tem duas horas de tempo para atender no máximo 8 doentes, também enfermeiros, serventes que queiram arredondar o salário podem alistar se para fazerem um ou dois dias.
Das 7h00 as 15h00 o hospital é socialista e depois capitalista
“Capitalista, mas olha tem uma coisa importante, diria socialismo alargado. Essa das consultas externas a pagamento personalizado ‘e um beneficio em três vertentes. A primeira é a população. Há muitíssima gente disposta a pagar bem para ter uma consulta dentro de um dia ou dois pelo médico que quer, a muita gente que quer mas não pode. Segundo beneficia ao pessoal da saúde médicos, enfermeiros que participam na consulta. Eles também tem uma percentagem que vai par o bolso deles e terceiro beneficia a administração do hospital.
Nós no hospital temos orçamento para o funcionamento geral, tem muitas coisas que não se consegue comprar porque não chega. Tem regras, é fundo do governo, do orçamento do estado. Ao passo que este aqui, como é um fundo a disposição da direcção é mais ágil na sua utilização e, pode cobrir falhas do material que é preciso comprar para o hospital, algo que não se pode comprar com o orçamento do estado porque não chega disse Martezine.

3 comentários: