sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Famigerado Carnaval de Quelimane



De Carnaval só ficou Naval
O tão famigerado Carnaval de Quelimane.
Estacios Valoi
20/01/10
Conforme enfatizou o secretario Geral do Partido Frelimo Filipe Paunde na entrevista feita para o nosso jornal Filipe, cargo de direcção e/ou chefia ‘exigem confiança politica’.
No meu périplo pela cidade de Quelimane para ouvir falar do tão falado carnaval do ‘pequeno Brasil não foi mais do que a pé na possa.
A 16 km de Maputo todos os anos no mês de Fevereiro realiza se o carnaval nesta cidade, por sinal um dos símbolos pela qual é bem conhecida, contudo nos últimos anos a aderência ao evento não é das melhores, tendo como um dos problemas graves a ausência participativa de varias empresas de forma a dar mais ‘gás ‘ a esta festa de longa data e com muitas historias por contar.
Como dizia Sérgio, completamente perplexo com o rumo dos acontecimentos, com perguntas e respostas que só os outros saberão responder
‘Mas que carnaval se vai dançar se é que ainda existe por estas bandas e como dizia o meu interlocutor não sabia se era a amizade que mina o desenvolvimento do Pais, ou não se saber separar as coisas. A título de exemplo questionava sobre o que o musico Mc Roger estava a fazer f na tomada de posse do Presidente Guebuza, mais ainda actuar perante aqueles chefes de estado, delegações que se fizeram presentes no acto da investidura. Tem músicos como o Alexandre Mazuze, a Mingas e outros que cantam algo de raiz, com aquele toque tradicional moçambicano. Aquilo foi brincadeira de mau gosto’.
‘Uma coisa é você fazer algo com conhecimento de causa e a outra é ter um amigo engenheiro de Construção civil que te convida a fazer parte da construção de uma ponte quando você não entende nada da matéria e a ponte cai! É o que esta a acontecer aqui nesta merda de Quelimane’.
De tanto ouvir o Sérgio, a minha curiosidade foi se agudizando, afinal de contas trata se de um de uma festa que em tempos longínquos Quelimane era famosa por ter o melhor carnaval, mas carnaval mais enraizado onde outrora considerou se de pequeno Brasil por ser multicultural e este já é parte da tradição local. Contudo os últimos carnavais como o do ano [passado que registou total ausência relativamente a participação das empresas’ patrocínio foi completa tendo o Município local sido forcado a desembolsar dos seus cofres cerca de 400.000mt, receitas provenientes das colectas nos, mercados.
‘São problemas de vária ordem que vem minando daquilo que era considerado de Carnaval porque actualmente as pessoas confundem tudo, criatividade não é fazer coisas só porque se tem dinheiro, os meus pais e mantém a sua tradição, mesmo que procure o luxo e conforto, isto, não significa que devo ‘atropelar’ as raízes culturais dos meus progenitores, pelo contrário tenho que a preservar ‘.
Segundo Sergio os outros Carnavais de Quelimane elogiados não só a nível nacional foram realizados ali na praça mas elogiados porque estavam carregados de cultura, entretenimento e hoje esta se a entrar na época do Carnaval e não há quase nada. Em anos anteriores nesta fase estavam todos a ensaiar.
‘Perguntaste a alguma criança quando é que será o carnaval. ‘hoje ‘só participam crianças entre 0s 16 e 20 anos, numa festa que é para todas as idades e anteriormente encontravas pessoas dos 20, 35 anos em diante a desfilarem, boas bandas como o dançarino Ratan que abrilhantava a festa e o falecido musico David e tinha s musica ao vivo ate as 4 ou 5 horas do dia seguinte, verdadeiro ‘Samba’, batuques saias feitas de latas, de folhas de bananeira, blusas chapéus para a ocasião’.
A famosa cozinha da galinha a Zambeziana, palmeiras, jardins os abacaxis gigantes nesta província populosa no seu interior como no litoral de línguas tradicionais como o Chwabo, Makwas, lomwe, de cultura miscigenada crioula a comida típica a óleo de palma de riqueza cultural espectacular hoje o carnaval parece mais abrasileirado, o mais agravante se é que ainda se pode chamar de carnaval. Melhor naval que não caio em erro pelo menos fico entre o 'car e o naval'
‘Hoje só tens playback e quando me recordo daquela época é tanta a tristeza que me pesa. Vai ver este carnaval e dirás que é uma palhaçada, tirar dinheiro de um lado para investir numa tristeza’.
Era Musica ao vivo ate as 4 ou 5 horas do dia seguinte ‘samba’ de verdade e não musicas a moda Playback como se faz actualmente. Hoje o carnaval virou uma espécie de ‘ zona quente’ prostituição a torto e direito’. Escolhes a prostituta que bem te quiseres. Tudo bem estamos num sítio de laser mas vamos conservar aquilo que é nosso ‘.
‘Desde que nasci aqui em Quelimane participei em todos os carnavais, no pavilhão do Benfica um completamente natural, ao largo dos CFM cheio de barracas e actualmente só vou ao carnaval porque os meus amigos estão lá, sento me com a minha mulher na barraca a beber e comer’ .‘Os carros alegóricos feitos de madeira as mascaram, os grupos da cidade como o Carlos S, a Coquinha, a festa no pavilhão Benfica, a mucapata e a galinha cafreal o som de samba e vestimentas especiais já era. Já nem se sabe quem é a rainha de que escola de samba vem, qual foi a vencedora do ano passado é só sentar comer e beber’.
Em 2009 o Edil do Município Pio Matos numa entrevista reconhecia que nas primeiras semanas do festival nas primeiras o som não era dos melhores. Ano este em que a empresa de telefonia móvel mCel deixou de patrocinar o evento.
‘Quelimane sem carnaval não é Quelimane a semelhança do que esta a acontecer com a Casa da Cultura, ‘passar a ser Assembleia Municipal ‘! Há faço parte da geração Bis, fizemos um projecto com o Dr. Baizamo e solicitamos um espaço para as nossas actividades onde jovens dos vários bairros se reuniam e debatiam varais questões de entre elas a problemática do HIV/Sida, o espaço foi tomado pelos camaradas e não quero citar nomes, passou a ser deles porá. Hoje Comité do partido. E diziam eles mas que é isso de Geração Bis ! isto é do partido. É muito triste’

Sem comentários:

Enviar um comentário